A chegada da rede de lojas Havan a Mato Grosso foi coberta de problemas que para a maioria dos empresários resultaria na inviabilidade de instalação. Desde que anunciou investimentos no estado uma verdadeira chuva de denúncias colocou em dúvida o “estilo” operacional da empresa.

O primeiro a atacar foi o deputado petista Ademir Brunetto, que não se conformava com os incentivos fiscais proporcionados a empresa. Depois, na instalação da sua loja em Rondonópolis, o Habite-se, documento que libera o uso do prédio e que serve de atestado de que tudo está dentro da legislação municipal, foi concedido às pressas, já que não haviam sido plantadas as árvores conforme exigência da legislação na frente da loja.

Leia também:  Rondonópolis e seus 64 anos de emancipação política

Agora a briga foi com a prefeitura de Cuiabá, que interditou na última sexta (22), pela segunda vez, a obra da loja que seria inaugurada no sábado seguinte. O motivo? A secretaria de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente não havia emitido o Habite-se para o funcionamento.

Quase no final do expediente da prefeitura, as irregularidades teriam sido sanadas, garantindo assim pelo menos no papel a segurança aos frequentadores. A prefeitura cuiabana ainda atendeu ao pleito da empresa e suspendeu o embargo. Com isso, a Havan pode ser inaugurada no sábado e como em Rondonópolis foi concedido a empresa novo prazo para regularização de todas pendências.

Em tempo: O habite-se à loja cuiabana do grupo foi negado devido inadequação da área permeável, não rebaixamento de meio fio, desconformidade de plantio de mudas de árvore na calçada, além da não-apresentação de documentos fiscais.

Leia também:  Da portaria para as passarelas do mundo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.