Foto: assessoria
O deputado Wellington Fagundes acompanhou o leilão em São Paulo –  Foto: assessoria

A crença no crescimento do agronegócio brasileiro e especialmente em Mato Grosso foi o principal fator que levou a empresa Odebrecht a disputar, nesta quarta-feira (27), o leilão de concessão de 850,9 km da BR-163, entre Sinop (MT) e a divisa com Mato Grosso do Sul.

A informação é do diretor de Investimentos da empresa, Paulo Meira Lins. Segundo ele, a Odebrecht levou em consideração a importância atual da rodovia para o escoamento da safra agrícola de Mato Grosso. Estudos realizados apontam que, apesar do impacto da implantação de novas alternativas de escoamento, como a Ferrovia do Centro-Oeste, a Ferrovia Vicente Vuolo, hidrovias e a pavimentação de outras rodovias federais no Estado, a BR-163 continuará tendo papel fundamental no escoamento.

A empresa Odebrecht S/A venceu o leilão e será responsável pelas obras de duplicação e adequação da BR-163. Ela apresentou o menor preço entre os setes grupos concorrentes.

Leia também:  Número 192 do SAMU está fora de área

Depois de executadas as obras previstas no contrato, quem trafegar pela rodovia deverá pagar um pedágio de R$ 2,638 a cada 100 km rodados. O valor é 52% menor do que o estipulado pelo governo federal, que havia fixado o teto em R$ 5,50 para cada 100 km.

A concessão vai permitir que a empresa explore a rodovia por 30 anos. A expectativa do governo é que neste período sejam investidos R$ 4,6 bilhões na rodovia.

Pelo edital, a Odebrecht terá que construir vias marginais em trechos urbanos, passarelas e melhorias de acesso em 19 municípios ao longo da rodovia, como é o caso de Rondonópolis, onde deve ser implantado um contorno de 10,9 km.”A qualidade da rodovia, depois dos investimentos feitos, vai melhorar o escoamento da safra agrícola”, prevê o diretor.

Leia também:  Obra de reforma é lançada na Escola CPAC São José

Deputado federal por Mato Grosso e presidente da Frente Parlamentar Mista de Logística de Transportes e Armazenagem, Wellington Fagundes (PR), que acompanhou o leilão em São Paulo, comemorou o resultado. “Este é o menor deságio do Brasil. O preço é razoável e quem mais ganha com isso é a população”, afirmou ao final do leilão.

Para ele, os investimentos previstos na rodovia irão melhorar a logística de transportes não só em Mato Grosso, mas em boa parte do Centro-Oeste brasileiro, já que a BR-163, como confirmam os estudos feitos pela Odebrecht, é e continuará sendo a principal via de escoamento da produção agrícola desta região do Brasil.

Além disso, o parlamentar lembra do problema social e econômico que resultam das deficiências hoje existentes nessa rodovia, como os custos elevados do frete, comprometendo a competitividade dos nossos produtos no mercado internacional, e o grande número de acidentes graves. “Os dados da Polícia Rodoviária Federal confirmam ser o trecho entre Rondonópolis e Cuiabá um dos mais críticos do Brasil, com o maior número de acidentes frontais no País, o que resulta em vítimas fatais ou gravemente feridas”, lembra.

Leia também:  Rico e Lázaro | Nabonido revela que Nebuzaradã pretende matar Belsazar

Na avaliação do parlamentar, os investimentos a serem feitos pela Odebrecht irão garantir mais segurança aos usuários, reduzindo os acidentes, e na redução dos custos dos fretes.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.