Daqui a duas semanas, no dia 6 de dezembro, o neozelandês Mark Hunt enfrenta o brasileiro Antônio Pezão no evento principal do UFC Fight Night Combate: Hunt x Pezão, em Brisbane, Austrália. A luta, porém, quase não aconteceu. Hunt revelou nesta semana que rejeitou o adversário na primeira vez que o duelo lhe foi oferecido, devido à amizade que formou com o peso-pesado paraibano durante seus treinos juntos na American Top Team (ATT).

– Eu rejeitei a luta. Eu queria um oponente diferente. Eu não queria essa luta porque ele é membro da ATT. Não só isso, mas a mesma coisa tinha acontecido com o Cheick Kongo. Nós trabalhamos juntos antes. Como eu disse antes, porém, sou funcionário da companhia. É o nosso trabalho. Negócios à parte, ainda seremos amigos, vamos dizer oi, isso e aquilo. É assim mesmo – contou Hunt ao podcast “The MMA Hour”, do site “MMA Fighting”.

Leia também:  Árbitros de Mato Grosso participam de curso promovido pela CBF

Apesar de ainda representar a ATT, o neozelandês voltou a treinar em seu país no ano passado e a distância o ajudou a aceitar o combate contra o ex-companheiro de treinos. Hunt lembrou, porém, que suas últimas sessões de sparring com Pezão o ajudaram a descobrir um problema na perna que o tirou do UFC 146, em maio de 2012.

– Quando eu estava trabalhando com o Pezão, estava treinando para enfrentar Stefan Struve em Las Vegas, e por causa do Pezão, descobri quão ruim minha perna estava. Era meu PCL (ligamento cruzado posterior). Ele estava chutando ali. Foi assim que descobri. Foi bom, Aí tive de desistir da luta com uma semana de antecedência, o que foi muito nojento – revelou.

Leia também:  Atletas de Rondonópolis se destacam em competição nacional

Eventualmente, Mark Hunt não só aceitou o combate, como ficou agradecido pela oportunidade. Afinal, o neozelandês está vindo de uma derrota por nocaute para Junior Cigano, no UFC 160, em maio, e foi direto para um evento principal em Brisbane, na Austrália, seu “país adotivo”.

– É uma verdadeira bênção. Sou grato ao UFC por me dar esta oportunidade, especialmente após ser nocauteado por Cigano em Vegas. É um grande passo para mim. Pezão é o número 4 no mundo. Acho que não estou nem no top 10. Sou abençoado – concluiu Hunt.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.