A dois dias de uma luta que pode determinar uma nova chance de disputar o cinturão do UFC, o lutador brasileiro Vitor Belfort tentou se manter afastado de polêmicas no treino aberto do UFC Fight Night Combate: Belfort x Henderson. Durante bate-papo com a imprensa internacional após a rápida atividade numa academia em Goiânia, nesta quinta-feira, o peso-médio, que luta na categoria de cima contra Dan Henderson, evitou fazer projeções sobre o duelo, comentar a promessa de Dana White de que lutaria pelo título e responder às críticas feitas por Daniel Sarafian no início da semana.

Em dado momento, quando foi perguntado sobre o risco que assumiu ao pedir o combate com Henderson em 93kg, Belfort levou as mãos aos ouvidos para tapá-los e fechou os olhos.

– Não quero nem ouvir o que está acontecendo fora. Eu repreendo a sua pergunta. Não quero saber. Minha luta é vitória. Estou focado na minha luta e só recebo coisas positivas, nada negativo entra na minha mente – afirmou o lutador brasileiro.

Leia também:  Eurico Miranda é afastado da presidência do Vasco por ser acusado de apoiar vandalismo de torcida

Indagado se a possibilidade de disputar o cinturão não era algo positivo, Belfort lembrou Michael Jordan, lenda do basquete americano.

– A possibilidade é vencer. O business funciona assim: você é lembrado por sua última luta. As pessoas têm medo de arriscar, e tudo é um risco. Na verdade, a gente tem que ter a ousadia, ousadia de arriscar, de vencer. Como o Michael Jordan disse: a diferença entre o Michael Jordan e os outros jogadores é que ele arriscava. Ninguém fala, ninguém lembra dele (errando), geralmente as pessoas lembram das coisas positivas. As pessoas ficam muito focadas no negativo. Cada pergunta que é feita para mim, a que não produz fruto não pode entrar na minha cabeça, essa pergunta pode ficar na cabeça de vocês, mas não pode entrar na minha – explicou.

O ex-campeão peso-meio-pesado também evitou prometer qualquer coisa sobre a luta contra Dan Henderson e deu respostas curtas sobre seu plano de jogo e análise do combate.

Leia também:  Brasileira leva ouro em natação e se torna a 1° campeã mundial do país

– A estratégia é vencer em todas as áreas, em cada momento da luta, tentar dominá-lo. Favoritismo para mim é vencer o dia. Respeito meus oponentes, e confio na vitória – disse.

Mensagem a Sarafian: ‘Valorize onde está’

No início da semana, Daniel Sarafian revelou ter se sentido traído por Vitor Belfort, que teria treinado com ele em São Paulo enquanto fazia campanha junto ao UFC para que o lutador paulista enfrentasse Cézar Mutante, seu antigo companheiro de treinos. Belfort tentou escapar das perguntas sobre o caso, mas negou que tenha pedido pelo combate.

– Não fiz campanha nenhuma, eu sou lutador, não sou manager. Não sei de onde ele tirou isso. Tem uma empresa que cuida dele, de cada lutador. Eu sou lutador, meu trabalho é lutar – respondeu.

Leia também:  Com a demissão de Ceni, São Paulo vai completar 16 técnicos em 8 anos

O atleta carioca ainda afirmou que segue com um sentimento de amizade quanto a Sarafian e mandou um recado.

– Lutadores jovens, valorizem a plataforma em que vocês estão. Acho que deveria ser um sonho realizado para eles estar lutando num (coevento principal). Quanto tempo demora para se lutar num coevento principal? Quanto tempo? Os lutadores não fazem ideia, levam muito para o pessoal. Primeiro: eu sou lutador! Ele está falando comigo por quê? Não tenho nada, estou fazendo meu trabalho. Só tenho a dizer o seguinte: valorizem, curtam, porque milhões de brasileiros sonham em um dia estar na sua posição. A gente tem que parar com essa picuinha. Esquece, eu tenho minha mulher e filhos em casa, e ela não cobra de mim… Tem que agradecer a Deus onde chegou, demorei anos para chegar onde eu cheguei – declarou Vitor Belfort.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.