A PF (Polícia Federal) iniciou na manhã desta terça-feira (19) a operação Glasnost, com o objetivo de combater a pedofilia. A ação se estende por 11 Estados e é fruto de dois anos de investigação.

Foram identificados cerca de cem brasileiros envolvidos com a produção e o compartilhamento de imagens relacionadas à exploração sexual de crianças e adolescentes na internet. Segundo nota da PF, assim que os abusos eram identificados, eram tomadas medidas imediatamente, com o objetivo de cessar a violência.

Há vários perfis de investigados, com várias idades e profissões. Um oficial da Aeronáutica, um policial militar, um chefe de grupo de escoteiros e vários professores compõem a lista.

Aproximadamente 400 policiais participam da operação nos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Todos estão envolvidos no cumprimento de 80 mandados de busca e apreensão e 20 ordens de condução dos suspeitos à força para prestação de esclarecimento, além de um mandado de prisão preventiva.

Leia também:  Com ciúmes da ex-namorada, homem invade hospital e esfaqueia paciente em MT

O órgão divulgou que três suspeitos já foram devidamente identificados, e que um deles abusava sexualmente da filha de cinco anos de idade. Este mesmo investigado divulgava as fotos dos abusos na internet para outros pedófilos em várias partes ao redor do mundo.

Além dos cem suspeitos envolvidos, ainda há outros 200 sob investigação da PF.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.