A prefeita do município de Pedra Preta, Mariledi Araújo (PDT), será ouvida no dia 20 de novembro pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre as acusações de irregularidades em sua administração. A CPI foi implantada para investigar a limpeza de um terreno particular com maquinários da prefeitura de Pedra Preta e o não cumprimento de prazo para a prestação de contas do Executivo para o Legislativo.

No mês passado a prefeita Mariledi Araújo (PDT) teve a oportunidade de entregar para a CPI uma defesa documentada sobre o caso, porém eles resolveram continuar com a investigação.

De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores de Pedra Preta, Leonildo Augusto (PR), Mariledi foi convocada a prestar esclarecimentos a Comissão juntamente com as testemunhas para definir se o caso será ou não levado adiante.

Leia também:  Sindicato Rural "sente pressão" e apresenta trabalho social a vereadores

“Ela será ouvida e as provas serão apresentadas, caso a CPI querer continuar com o caso, será definida uma data e aberta uma votação. Para que o mandato da prefeita seja cassado é preciso que oito dos 11 vereadores votem a favor da cassação”, analisou Leonildo.

Edno Damasceno, procurador geral da Prefeitura, afirma que o clima no Paço está tranquilo. “A promotoria já arquivou o processo sobre a limpeza do terreno, estamos confiantes, já que atraso na entrega de prestação de contas nunca foi motivo de cassação para prefeito nenhum”, fala.

A CPI é composta pelos vereadores: Maria da Cruz (presidente), Fábio Trindade (relator) e Valter Gomes (membro).

Clique AQUI e veja a matéria completa sobre o que levou os vereadores a instaurarem  a 1ª CPI da história de Pedra Preta.

Leia também:  Marido é suspeito de matar esposa na frente do filho de 5 anos
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.