Desafiante ao título dos pesos-penas diante de José Aldo, dia 1º de fevereiro, na luta principal da noite do UFC 169, Ricardo Lamas sabe que este será o duelo mais importante de sua carreira no MMA. Para o confronto, inclusive, o americano contará com os brasileiros Cesar Carneiro, para comandar o treino de boxe e Muay Thai, e Daniel Valverde, responsável pela parte de wrestling e chão do lutador, na fase final da sua preparação.

Em entrevista por telefone ao Combate.com, os treinadores se mostraram confiantes que o cinturão poderá mudar de mãos no ano que vem, ressaltando que o adversário da vez poderia ser outro, caso Chan Sung Jung não tivesse se machucado no confronto de 3 de agosto, no UFC 163, no Rio de Janeiro, quando acabou derrotado por José Aldo no quarto round.

– Essa, com certeza, é a luta mais importante da carreira do Ricardo Lamas. Estamos muito felizes pela confirmação, mas claro que era algo que já esperávamos, até mesmo pela maneira como ele veio construindo sua trajetória no UFC, com quatro vitórias contundentes. Agora vamos trabalhar muito duro para vencer um lutador completo como é o José Aldo, mas que é um ser humano e possui falhas. Tanto que na luta contra o Zumbi Coreano ele deu um pouco de sorte porque o cara estava crescendo no combate quando se machucou – afirmou Daniel Valverde, faixa-preta de judô e jiu-jítsu.

Leia também:  Colorado vence fora de casa e ganha moral na Copinha

Com três meses para se preparar para a luta, Valverde não imagina que o longo tempo entre a última vez que Lamas subiu no octógono, diante de Erik Koch em janeiro, e o confronto de fevereiro vá fazer alguma diferença no ritmo de jogo do americano. Muito pelo contrário. Segundo o treinador, quem sairia em alguma desvantagem seria justamente José Aldo, por ter se lesionado mais recentemente.

– Eu acho que quando você está sem lutar por lesão, consequentemente, você pode sofrer uma falta de ritmo de treino. E Ricardo não está machucado. Ele já vem treinando wrestling e movimentação no chão. Por ter lutado só em janeiro, ele pode perder um pouco da adrenalina da luta. Mas ele é um competidor nato, já está no meio há muito tempo, lutando wrestling, tem muita experiência e está saudável. Já o José Aldo é justamente o contrário, já que ele se lesionou em agosto contra o coreano – ressaltou o treinador.

Leia também:  Dom Bosco marca jogo para às 9h no domingo pela Copa FMF

Técnico também da brasileira Amanda Nunes, que fará sua segunda luta no UFC, dia 6 de novembro, contra Germaine de Randamie, Daniel Valverde vê como maior perigo de José Aldo a imprevisibilidade do manauara, por ser perigoso tanto em pé quanto no chão. Por isso, o treinador diz que tudo deve ser usado para conseguir o objetivo final. Até mesmo usar do idioma para tentar desvendar as instruções de Dedé Pederneiras no córner oposto.

– Acho que ser brasileiro pode ajudar sim. O Ricardo conhece algumas palavras de português também e a gente sabe como eles trabalham, como o Dedé Pederneiras, que faz um excelente trabalho lá, gosta de trabalhar. O José Aldo vai ser o cara mais duro que ele já vai ter enfrentado, com aquelas joelhadas imprevisíveis. Então, até mesmo por saber da competência do lado de lá, vamos trabalhar ainda mais forte. Agora, o Ricardo Lamas tem muita confiança no nosso trabalho, por ver como nós fazemos também com a Amanda Nunes, isso aumenta muito a confiança dele.

Leia também:  Cuiabá Arsenal embarca em busca de vaga na final do brasileiro

Vão ser 10 semanas trabalhando incessantemente para buscar esse sonho do título – disse Daniel Valverde.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.