Cada vez mais mulheres estão procurando as academias para praticar aulas de boxe, MMA, muay thai e outras lutas. Engana-se quem pensa que essas atividades sejam exclusividade masculina, as mulheres, e suas curvas, também podem colher os benefícios. Só é preciso cuidado para se proteger adequadamente. “Unhas devem estar aparadas, cabelos presos e nunca treine com brincos e outros acessórios”, explica o instrutor de lutas Luciano Imoto, diretor da academia Imoto, de São Paulo. Dependendo da luta, recomenda-se usar sapatilhas para proteger os pés e protetor de busto para os seios.

E então, pronta para colocar a atividade que gasta de 600 a 1200 calorias na rotina de exercícios? Confira abaixo as modalidades mais comuns e escolha a que mais se encaixa ao seu perfil.
Boxe

No boxe, há muita movimentação, o que favorece muito os músculos dos braços e as pernas. Mas um dos pontos altos da aula são as vantagens para a região da barriga. Além de trabalhar muito o abdômen, o boxe ajuda a afinar a cintura. Essa luta faz com que a barriga fique contraída o tempo todo. Com isso, a rotação do tronco para os lados dará um ótimo resultado estético e melhorará a postura. E os benefícios não param por aí: a luta gasta aproximadamente 800 calorias por hora de treino. E não pense que a aula se resume aos socos. “O treino de preparação já trabalha muito as pernas, já que envolve saltos e cordas” explica Luciano Imoto.
Muay thai

Leia também:  Álcool pode ser mais prejudicial para as mulheres

A aula demuay thai já começa agitada, o aquecimento envolve polichinelos, corda e saltos, o que por si só já garante um bom gasto calórico. Durante o enfrentamento é delimitado um círculo de ação para cada combatente, o que determina que os movimentos sejam feitos de maneira explosiva. “Como o foco são os chutes – dados com a perna esticada e a ponta do pé – a aula fortalece, principalmente, pernas, glúteos, além da parte central do tronco e abdômen, que são exigidos pois assumem a função de estabilizar os membros”, explica Luciano Imoto. Caso você queira fortalecer mais ombros e braços, basta pedir para o seu professor dar destaque aos socos e cotoveladas durante o treino. Tanto esforço gasta aproximadamente 800 calorias e traz também benefícios para a coordenação motora e a concentração.
Karatê

Além de trazer benefícios para o corpo, o karatê também cuida da sua mente. “Essa luta mantém a disciplina e a tradição oriental, além de ser detalhista, já que a menor desatenção pode virar o jogo”, explica o educador físico Washington Alves, instrutor de MMA da academia Planet Sport (de São Paulo). A grande quantidade de socos e chutes, dados com o joelho elevado e dobrado e o pé em posição neutra, fazem com que a atividade trabalhe o corpo de uma maneira global. O gasto calórico da aula também gira em torno das 800 calorias.
Capoeira

Leia também:  Primeiro autoteste rápido para HIV do Brasil chega às farmácias

O gingado e as acrobacias da capoeira melhoram a flexibilidade, principalmente das pernas, responsáveis pela maior parte dos golpes. “O aluno ganha elasticidade sem perceber”, conta o educador físico Washington. Os movimentos acrobáticos garantem um fortalecimento global, isso porque além de dar o golpe, é preciso manter o corpo todo contraído para equilibrar-se. O gasto calórico também está na casa das 800 calorias por hora.
MMA

Uma evolução do vale-tudo, O MMA (Mixed Martial Arts) é uma mistura de sete diferentes lutas: jiu-jitsu, muay thai, judô, wrestling, karatê, boxe e capoeira. A diferença é que essa luta passou a ter regras bem claras, garantindo a integridade do praticante. Por agrupar tantas práticas, o MMA inclui movimentos no chão, chutes no ar, derrubada do adversário, trabalho de equilíbrio e isometria (segurar o adversário no chão) o que promove diversos benefícios ao corpo. Os resultados serão fortalecimento, agilidade, equilíbrio, flexibilidade e gordurinhas exterminadas. O gasto calórico dessa aula pode chegar a 1200 calorias por aula.
Jiu-jitsu

Leia também:  Já ouviu falar em falsa magra?

O jiu-jitsu é praticado predominantemente no chão e também usa o princípio da isometria para imobilizar o oponente. Além de contribuir para o fortalecimento muscular, a aula melhora o condicionamento físico e a função cardiorrespiratória, já que o esforço é constante. Apesar de precisar de força para praticar a luta, o que faz diferença mesmo é o domínio da técnica, já que é preciso muita atenção para dominar o adversário. Em apenas uma aula são eliminadas 1000 calorias.

Segundo Luciano Imoto, não é preciso se preocupar com a deformação da orelha, comum entre atletas que praticam essa luta, devido ao atrito com o tatame. “Isso só acontece quando não é dado o tempo necessário para a cicatrização. É possível também usar protetores auriculares específicos para a prática do esporte”, explica.
Judô

O foco dessa luta é derrubar e imobilizar o adversário, para isso é preciso fazer muita força com tronco e braços, fortalecendo, principalmente, os músculos dessas regiões. Mas a resistência às investidas do oponente gera contrações no corpo todo, trabalhando-o por completo. O judô é uma das poucas lutas que conserva a tradição oriental e, por isso, a disciplina é um dos principais pontos a serem respeitados nesse esporte. O gasto calórico da aula de uma hora fica entre 700 e 800 calorias.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.