Tal qual o touro quebrando um portão de madeira, da pintura especial de seu capacete para a corrida no faroeste texano, Sebastian Vettel segue sem tomar conhecimento de recordes e adversários na Fórmula 1. Neste domingo, em Austin, o mais jovem tetracampeão escreveu uma nova página na história da categoria ao vencer, com a mais absoluta tranquilidade, o GP dos EUA de ponta a ponta. Indomável, acelerava mais a cada pedido da equipe pelo rádio para segurar o ritmo, brincando de fazer a melhor volta a duas voltas do fim. Nada que colocasse em risco a sua 38ª vitória na carreira, a 12ª no ano e a oitava seguida, deixando para trás a marca de sete triunfos consecutivos em uma mesma temporada de seu ídolo Michael Schumacher, em 2004. Na comemoração do alemão da RBR, novos zerinhos diante da animada torcida que lotou as arquibancadas do Circuito das Américas, e choro contido no pódio.

– O carro estava fantástico. Consegui um bom ritmo, e controlei a vantagem para conquistar minha oitava vitória seguida. Eu não sei como consigo fazer isso, para ser honesto. É quase impossível saber o que dizer neste momento. Gostaria de agradecer ao público. É inacreditável ver mais de 100 mil pessoas em um domingo como estes. E esta é apenas a nossa segunda corrida aqui. A cidade está borbulhando. Após minha estreia em 2007 em Indianápolis voltei ao país ano passado e conquistei o pódio, mas ter vencido neste ano foi sensacional – disse o tetracampeão Vettel.

No encerramento do campeonato, em Interlagos, no próximo fim de semana, Vettel terá a chance de igualar mais duas marcas importantes: as 13 vitórias de Schumacher em um mesmo campeonato (2004) e as nove vitórias seguidas de Alberto Ascari entre os anos de 1953 e 1954.

E se Vettel estava, mais uma vez, inalcançável, coube a Romain Grosjean ser o grande destaque do “resto” do pelotão. Dando sequência a sua ótima fase, o franco-suíço da Lotus deixou para trás a outra RBR, de Mark Webber, e terminou em segundo, acompanhado de perto pelo australiano, que completou o pódio. Com os Mundiais de Pilotos e Construtores decididos em favor de Vettel e RBR, além do recorde do alemão, a outra atração da prova era a briga pelas vice-lideranças das competições. Após um belo duelo com Nico Hulkenberg (Sauber), Fernando Alonso levou o limitado carro da Ferrari à quinta posição. E mesmo chegando logo atrás da Mercedes de Lewis Hamilton, seu adversário direto na briga pelo vice, o espanhol assegurou o segundo lugar geral pela quarta vez na carreira.

Leia também:  União joga domingo diante do Sinop no Luthero Lopes

Já Felipe Massa, que havia antecipado após o treino classificatório que o domingo seria um desastre caso algo não mudasse em seu carro, não conseguiu tirar leite de pedra do bólido vermelho. Discreto, andou fora do top 10 por toda a prova e cruzou a linha de chegada em 13º, mas subiu para 12º ao herdar a posição de Jean-Eric Vergne (STR), penalizado com 20s após a corrida por bater em Esteban Gutiérrez (Sauber) na última volta.

Domingo diferente teve seu futuro parceiro na Williams em 2014, Valtteri Bottas, um dos destaques da corrida. O jovem finlandês, que estreou esse ano na F-1, chegou em oitavo e marcou seus primeiros pontos na carreira. E por falar em finlandês, Heikki Kovalainen, substituto do compatriota Kimi Raikkonen, submetido a uma cirurgia na coluna na quinta-feira, sentiu a falta de ritmo. Enquanto Grosjean brilhou ao levar à Lotus ao segundo lugar, o piloto de 32 anos foi despencando pelotão abaixo, terminando em 14º após ter largado em oitavo.

Dispensado da McLaren para 2014, Sergio Pérez deu a resposta à equipe na pista, chegando em sétimo, três posições à frente de seu companheiro Jenson Button que fechou a zona de pontuação, logo atrás de um apático Nico Rosberg, nono com a Mercedes.

Ao longo da imponente subida da reta de largada que antecede a primeira curva no circuito de Austin, Vettel conteve as investidas de Webber e Grosjean e manteve a ponta. O australiano da RBR ficou por dentro na primeira curva, mas acabou perdendo tração e também posições para o francês da Lotus e Lewis Hamilton. Na sequência apareciam Hulkenberg, Pérez, Alonso e Bottas. Felipe Massa chegou a tracionar bem, mas foi fechado, perdeu três posições e caiu para 16º. O brasileiro ainda recuperou parte do prejuízo antes da corrida ser interrompida ainda na primeira volta em razão da batida de Adrian Sutil. O alemão da Force India havia se tocado com a Williams de Pastor Maldonadado, perdido o controle e acertado a barreira de proteção.

Leia também:  Academia é destaque em competição em Minas Gerais

Após quatro giros, o safety car deixou a pista e foi dada a relargada. Vettel administrou com autoridade o ritmo antes de cruzar a linha, não dando brechas para qualquer ataque de Grosjean. Em seis voltas após a saída do carro de segurança, o alemão da RBR já havia colocado quatro segundos de vantagem sobre o piloto da Lotus, que também conseguia abrir de Hamilton. Já o britânico tinha Webber em seu encalço. Mais atrás, Pérez segurava a pressão de Alonso e Bottas. A essa altura, Massa ocupava a 13ª colocação. Em 16º, Maldonado foi aos boxes para trocar o bico de sua Williams danificada no toque com Sutil e caiu para último.

Na 14ª volta, Webber acionou a asa móvel na reta oposta e surpreendeu Hamilton com uma bela manobra pelo lado de fora da curva, assumindo a terceira posição. Na sequência, o australiano abriu dois segundos de vantagem sobre o inglês em apenas uma volta, sumindo da vista do rival.
Enquanto isso, Massa segurava as investidas de Jenson Button e defendia o 13º lugar. Sentindo a falta de ritmo, Kovalainen, que largara em oitavo, mas já aparecia em 12º, antecipou sua primeira parada, indo para os boxes na 18ª volta, fazendo o brasileiro subir uma colocação.

Após vinte voltas, a vantagem de Vettel na liderança era de pouco mais de oito segundos. Grosjean vinha na sequência, acompanhado por Webber, Hamilton, Hulk, Pérez, Alonso, Bottas e Di Resta. A única mudança no top 10 foi a entrada de Rosberg, que passara Ricciardo.

Leia também:  Dom Bosco marca jogo para às 9h no domingo pela Copa FMF

Pelos boxes, a Ferrari pediu para Massa fazer uma “grande volta” antes entrar nos boxes para seu pit stop, na 22ª passagem. O brasileiro forçou o ritmo, mas não conseguiu ganhar a posição de Kovalainen, retornando imediatamente à frente de Button. Já Alonso conseguiu tomar a posição de Pérez nos boxes, mesmo parando um giro depois do mexicano.

Vettel fez sua parada na 28ª volta e retornou em segundo, atrás de Grosjean. Mas o alemão ficou longe da liderança por pouco tempo. O francês visitou os boxes um giro depois devolvendo a ponta ao tetracampeão. Após a primeira rodada de pit stops, os primeiros colocados se mantinham os mesmos: Vettel, Grosjean, Webber, Hamilton, Hulk, Alonso e Pérez. Sem mudanças no pelotão da frente, o duelo que chamava a atenção era a briga entre Bottas e Gutiérrez pela oitava posição, melhor para o finlandês da Williams. Massa era o 14º.

Com 40 voltas completadas, Vettel administrava a vantagem para Grosjean. Mais atrás, Alonso deu um belo drible em Hulkenberg no fim da subida da reta principal e assumiu a quinta colocação. Diferentemente da maioria dos pilotos, Massa optou por fazer mais uma parada nos boxes, caindo algumas posições. Com pneus mais frescos, o brasileiro deixou para trás Maldonado, quem substituirá na Williams, passando para 15º.

Emoções ficaram guardadas para a volta final. Hulk tentou dar o troco em Alonso na curva 1, mas o espanhol usou toda a sua experiência, aplicou o “X” e manteve-se em quinto. Gutiérrez arriscou um bote para cima de Vergne, mas acabou sendo empurrado para fora da pista. Melhor para Massa, que ganhou uma posição, subindo para 13º. Lá na frente, Vettel completava tranquilamente seu passeio. Indomável, pisava fundo no acelerador toda vez que a equipe RBR pedia pelo rádio para segurar o ritmo, brincando de fazer a melhor volta a dois giros do fim.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.