Com a redução nas tarifas de energia elétrica realizada pelo governo no início do ano, a conta de luz residencial no Brasil passou a ser a quarta mais barata em um ranking de 18 países divulgado pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee).

Segundo o estudo, com a redução média de 20%  autorizada em janeiro – consequência da redução de encargos setoriais e da diminuição de tarifas de geração e transmissão de ativos que tiveram os contratos de concessão prorrogados – a tarifa média residencial brasileira, sem impostos, saiu de 18,2 dólares por kilowatt/hora (kWh) para 14,9 dólares o kWh.

A queda fez com que o país saísse da 12a posição no ranking das menores tarifas de energia residencial para o quarto lugar, atrás apenas de Estados Unidos, França e Finlândia.

Leia também:  Vendas de veículos aumentam 1,9% em julho de 2017

No caso do preço da energia para as indústrias, o Brasil passou da 14a posição, com 13,9 dólares por kWh (sem impostos) para a oitava tarifa mais barata, com 11,3 dólares o kWh.

A Abradee informa, entretanto, que o ranking considera a base de dados internacional de 2012 e as tarifas brasileiras em janeiro de 2013, logo após a revisão extraordinária anunciada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Ou seja, não leva em conta os reajustes de tarifa aplicados ao longo de 2013.

“Só podemos fazer a comparação com 2013 quando tivermos os estudos internacionais publicados”, disse o presidente da Abradee, Nelson Fonseca Leite.

O estudo da Abradee foi feito com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Agência Internacional de Energia e EuroStat (provedor de informações estatísticas da Comunidade Europeia).

Leia também:  Pontes e Lacerda | Construção Civil é o setor que mais gera empregos em junho

Leite disse que o período de chuvas 2013/2014 tende a ser mais favorável do que o do ano passado, o que deve contribuir para uma situação mais estável nas tarifas em 2014.

Se as chuvas, de fato, colaborarem e mantiverem os reservatórios das hidrelétricas em bom nível, não será necessário – como ocorreu em 2013 – acionar usinas térmicas mais caras.

Apesar de admitir que a situação dos reservatórios do Nordeste é menos favorável, Leite disse que as previsões para as chuvas na região são positivas. “E nós teremos no Nordeste, nos próximos anos, a entrada de várias usinas eólicas e a possibilidade de ter excedente hidráulico do Sudeste e do Norte que pode ser transferido”, disse.

Leia também:  Captação de leite registra queda de 10,3% em MT
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.