Quase 20 anos após sua morte, Ayrton Senna continua ocupando um lugar de destaque entre os pilotos que fizeram história na Fórmula 1. O brasileiro deixou uma legião de admiradores ao redor do planeta, como comprova a infinidade de filmes, livros, jogos, miniaturas e estátuas que tenta reproduzir um pouco do carisma e do talento do mito. Do outro lado do mundo, o culto ao tricampeão mundial sobrevive graças à dedicação de fãs como o japonês Koji Azuma.

O designer de 32 anos vive em Komaki, a cerca de 70km do Circuito de Suzuka. A proximidade com o principal palco do automobilismo japonês despertou desde cedo o interesse pelas corridas. Na adolescência, Azuma adorava acompanhar as provas que reuniam três dos maiores pilotos de todos os tempos: Alain Prost, Nigel Mansell e Ayrton Senna. Foi então que o jovem começou a colecionar miniaturas de clássicos da pista.

A comoção em torno da morte trágica de Senna, no GP de San Marino de 1994, despertou ainda mais a admiração de Azuma. Os carros que o ídolo brasileiro pilotou durante sua vitoriosa carreira se tornaram presença obrigatória na coleção de miniaturas do japonês. Atualmente, Azuma administra uma loja virtual, que ajuda a propagar o legado de Senna graças ao extenso catálogo com réplicas dos monopostos do piloto.

Leia também:  Mixto, Dom Bosco e Cacerense viram adversários diretos do União na Copa Federação

– Os japoneses que gostam de carros conhecem Ayrton Senna, é um grande ídolo por aqui. Ele se tornou uma grande presença na Fórmula 1, uma referência. Eu procuro sempre apresentar as coisas boas do automobilismo às novas gerações, e Senna faz parte disso. A minha miniatura preferida é a da McLaren Honda MP4/6, usada na vitória do GP do Brasil (com este carro, Senna também conquistou seu terceiro título mundial, em 1991). Além das miniaturas, tenho uma estátua de bronze em escala 1:6 – disse Azuma, em entrevista ao GloboEsporte.com.

Entre as raridades à venda, destaca-se a miniatura do Mercedes-Benz 190E 2.3, carro pilotado por Senna em uma corrida disputada no tradicional circuito de Nürburgring, em 1984. A prova teve a presença de pilotos consagrados, como Jack Brabham e James Hunt, e também marcou o primeiro encontro de Senna com o francês Alain Prost, que viria a se tornar seu grande rival nas pistas. Apesar da pouca idade, o brasileiro venceu a corrida, desbancando o favorito Niki Lauda.

A paixão de Azuma pela Fórmula 1 resistiu à morte de Ayrton Senna e à aposentadoria dos grandes campeões daquela época. Após o fim trágico da carreira do ídolo brasileiro, o fã japonês passou a admirar e torcer por Michael Schumacher, considerado por muitos como sucessor de Senna no posto de “melhor piloto do mundo”. Os carros que consagraram o heptacampeão mundial também fazem parte do catálogo da loja virtual, assim como outros modelos recentes da F-1.

Leia também:  União aposta em Ricardo para bater o Cuiabá

– É claro que eu continuo acompanhando a Fórmula 1, mas não tenho mais nenhuma torcida específica para algum piloto desde que Michael Schumacher se aposentou. Em relação às escuderias da F-1 atual, tenho simpatia pela Mercedes e pela Ferrari – afirmou Azuma, que patrocina uma equipe da Super GT Series, principal categoria do automobilismo japonês.

ÍDOLO POP NO JAPÃO

Ayrton Senna despertou uma admiração sem precedentes na torcida japonesa. Afinal de contas, o brasileiro “honrou” a fama da nipônica Honda, que fornecia os motores para a McLaren, equipe com a qual Senna conquistou seus três títulos mundiais. Durante as transmissões da F-1 na terra do sol nascente, o piloto recebia atenção especial dos locutores e comentaristas, que logo o apelidaram de “príncipe supersônico”.

O sucesso de Senna em território japonês deu origem a uma infinidade de produtos que exploravam toda a fama do brasileiro. Um dos mais notórios é a série de mangás publicados nos anos 1990 pela editora Shueisha, que era patrocinadora da McLaren. As histórias em quadrinhos, contadas no tradicional estilo oriental, em preto e branco e de trás para frente, exaltavam a rivalidade entre Ayrton e Prost, e contribuíram para transformar a F-1 em uma verdadeira febre no Japão.

Leia também:  União começa neste domingo sonho de voltar à Copa do Brasil

Atualmente, Senna continua sendo objeto de culto de centenas de fã-clubes espalhados pelo território japonês. Além de livros e documentários facilmente encontrados em livrarias e lojas de varejo, a memória do piloto também está presente em lugares como o café temático F1 Pit Stop, no bairro de Roppongi, em Tóquio. O brasileiro é o destaque da decoração do local.

Recentemente, a Honda lançou uma campanha publicitária em que reproduziu uma volta de Senna em Suzuka, para comemorar a reedição da parceria com a McLaren a partir de 2015. A fabricante japonesa recolheu os dados de telemetria da volta de Ayrton no treino classificatório do GP do Japão de 1989, quando o piloto anotou o recorde da pista na ocasião (1m38s041). Por meio de alto-falantes e holofotes distribuídos por todo o circuito, a Honda reproduziu a façanha utilizando o ronco do motor da McLaren MP4/5, carro com o qual o brasileiro foi vice-campeão de 1989.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.