Por 46 votos a favor e 1 contra, a Câmara dos Deputados do Paraguai aprovou nesta quarta-feira (18), em sessão extraordinária, o protocolo de adesão da Venezuela ao Mercado Comum do Sul (Mercosul). O projeto, enviado pelo Poder Executivo ao Parlamento, foi aprovado pelo Senado na semana passada. Antes da votação, alguns parlamentares liberais, contrários à proposta, deixaram o recinto. O projeto segue agora para o Executivo.

A entrada da Venezuela, que ocupa atualmente a presidência do Mercosul, foi aprovada pela Argentina, pelo Brasil e pelo Uruguai em junho do ano passado, no mesmo dia em que o Paraguai foi suspenso do bloco regional por causa da “ruptura constitucional”, representada, segundo os governos dos três países, pela destituição do então presidente Fernando Lugo pelo Parlamento.

Leia também:  Americanos estarão proibidos de viajar para Coréia do Norte a partir de agosto

Por causa disso, o Parlamento paraguaio não aceitou a entrada da Venezuela no Mercosul.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores, José María Ibáñez, manifestou-se a favor do projeto, mas destacou que o Paraguai teve “muitas frustrações, por atitudes mesquinhas de seus sócios”. “Hoje, o Paraguai está no limbo: somos fundadores do Mercosul, porém, não estamos participando, nem tomamos parte das decisões importantes do bloco.”

Segundo Ibáñez, o país tinha três opções: “A primeira, permanecer tal como está, no limbo, a segunda, retirar-se e entregar seu espaço e a terceira, aceitar, agir com grandeza, virar a página de um incidente passado, que rechaçamos e condenamos, porém, temos que olhar para a frente.”

Em nota à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores disse que o governo brasileiro recebeu com grande satisfação a notícia da aprovação, pelo Legislativo paraguaio, do protocolo de adesão da Venezuela ao Mercosul.

Leia também:  Ataque a veículos que transportava cristãos deixa mortos e feridos no Egito

“A decisão é passo essencial para o fortalecimento político e comercial do Mercosul, com a plena participação do Paraguai, sócio fundador do bloco e parceiro estratégico do Brasil”, conclui a nota.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.