O resultado da Avaliação Trienal 2013 do Ministério da Educação (MEC) indica que nenhum curso de pós-graduação de Mato Grosso recebeu classificação máxima no exame. o Estado continua longe dos grandes centros no que se refere a pós-graduação.

De acordo com a Avaliação Trienal 2013, realizada pelo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que levou em consideração o período entre 2010 e 2012, a UFMT teve 33 cursos de pós-graduação avaliados, sendo que 57% apenas atingiram a nota mínima para não serem extintos pelo MEC.

Conforme o MEC, as avaliações vão de um a sete, sendo que a nota mínima para aprovação é três. Aproximadamente 47% dos cursos restantes receberam nota quatro.

Leia também:  Faixas de pedestres em 3D são criadas para 'forçar' parada de motoristas em Primavera

Apenas cursos de Ecologia e Conservação da Biodiversidade e Física Ambiental, ambos para mestrado e doutorado, receberam classificação cinco, as melhores do Estado.

A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) teve oito cursos pós-graduação avaliados, sendo que quatro receberam nota mínima para aprovação e quatro nota quatro.

Segundo a Capes, em todo país, somente 140 de 5.082 cursos avaliados receberam nota máxima. Os conceitos seis e sete indicam desempenho equivalente ao alto padrão internacional.

Entre os principais critérios da avaliação estão a infraestrutura, proposta do programa, análise do corpo docente e discente e a produção intelectual.

UFMT

Seis programas de pós-graduação tiveram melhoras de desempenho de 2010 até a atual avaliação: Ecologia e Conservação da Biodiversidade, que subiu de quatro para cinco; Enfermagem, Estudos de Cultura Contemporânea; Estudos de Linguagem; Geografia/Cuiabá e Saúde Coletiva subiram de três para quatro.

Leia também:  Fórum critica projeto de lei nocivo à população e ao meio ambiente

Segundo a pró-reitora de Ensino de Pós-Graduação, Leny Caselli Anzai, a melhora das notas foi comemorada pela instituição porque o programa de pós-graduação da universidade é todo muito novo. “É bom deixar claro que a nota três não é ruim, é uma classificação boa. Os cursos que conseguem receber notas seis ou sete são já programas muito antigos, consolidados e com experiência internacional. Nós estamos caminhando para isso.”

Segundo a pró-reitora, outro fato comemorado pela universidade é a expansão. Em 2000 apenas quatro programas de pós-graduação estavam funcionando. Hoje 39 já estão aprovados pelo Capes. “Em um pouco mais de 10 anos aumentamos em quase 10 vezes a proposta”.

Leia também:  Tangará da Serra é 10º município a receber Caravana da Transformação

Conforme Leny, na atual gestão da UFMT a Capes aprovou 21 cursos, dos quais oito são para doutorado. A universidade conta com 47 cursos, dos quais 11 doutorados e mais oito doutorados interinstitucionais em andamento na instituição.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.