O deputado federal Wellington Fagundes (PR) em parceria com o deputado Nilson Leitão (PSDB), querem discutir os impactos financeiros que a concessão da BR 163 trará à população de Mato Grosso. Fagundes e Leitão propõem debate sobre concessão da BR-163.

Concedido à iniciativa privada no último dia 27,  o trecho de 850,9 quilômetros da rodovia que corta 19 cidades do Estado irá contar com nove praças de pedágio. A principal preocupação dos parlamentares é quanto o impacto disso no bolso de quem mora na região.

“A tarifa estabelecida foi de R$ 2,63 pagos a cada 100 quilômetros. É um preço razoável se levarmos em conta que trafegaremos por uma rodovia segura, mas isso precisa ser debatido. Precisamos encontrar alternativas para que a tarifa não pese no orçamento da população”, explicou Fagundes.

Leia também:  Ex-prefeito de Diamantino é condenado por nepotismo

De acordo com o deputado Nilson Leitão, como governo não promoveu nenhum debate público antes da concessão da rodovia, a realização da mesa redonda será a oportunidade de discutir e apresentar à população as vantagens do empreendimento.

A expectativa é que mesa redonda seja realizada ainda este mês. Serão convidados para o debate representantes do Ministério dos Transportes, Ministério Público Federal, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e Polícia Rodoviária Federal (DPRF).

Também serão convidados os prefeitos dos municípios de Sinop, Sorriso, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Diamantino, Acorizal, Campo Verde, Cuiabá, Rondonópolis e Itiquira.

Concessão BR-163

Principal via de escoamento da produção agrícola do Estado, a BR-163 é responsável pelo escoamento de 70 % da safra regional.

Leia também:  Adonias busca soluções para resolver situação da UTI Pediátrica de Rondonópolis

Leiloada à empresa Odecrecht no dia 27 de novembro, a rodovia deverá ser explorada pela concessionária no prazo de 30 anos. Neste período, deverão ser feitas obras de duplicação, manutenção e adequação.

A previsão é que sejam investidos na duplicação e conservação da rodovia cerca de R$ 3,6 bilhões ao longo da concessão. Pelas regras fixadas no edital, a cobrança de pedágio só será feita quando 10 % das obras de duplicação da via estiver concluída.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.