Dez milhões de toneladas de grãos serão transportadas pelo Complexo Intermodal de Rondonópolis (CIR) em 2014. Trinta por cento desse volume passou pelo terminal desde a inauguração, há 3 meses. “Agora é uma questão de condição de mercado. Como estamos na fase final da safra do milho, estamos operando com o grão. A nossa expectativa é operar com soja a partir da 2ª quinzena de janeiro”, afirma o gerente de Operação da América Latina Logística (ALL) em Mato Grosso, Ivandro Paim, ressaltando que o terminal é graneleiro, transportando basicamente 3 tipos de produtos: milho, grão e farelo de soja.

“Ainda há 17 espaços abertos para investidores começarem a se instalar aqui, a partir de 2014, ou seja, realmente o terminal vai ganhar uma proporção muito grande”, avalia o secretário de Logística Intermodal de Transportes, Francisco Vuolo, destacando a importância da estruturação do terminal. Processo que levará pelo menos 3 anos, na análise do coordenador do Núcleo de Estudos de Logística e Transporte (Nelt) da UFMT, Luiz Miguel de Miranda.

Leia também:  Receita Federal paga nesta segunda (16) o 5º lote de restituição do IR 2017

Segundo o coordenador, quando isso acontecer, os 800 empregos diretos e indiretos gerados na região se transformarão em 1,5 mil postos de trabalho diretos e 6 mil indiretos, e o terminal terá condições de receber toda a soja produzida na região norte do Estado e também os derivados de petróleo. “Além de trazer também carga industrializada, que é a excelência de cargas de retorno. Eu acredito que temos aqui uma estrutura fantástica para crescer e cabe tudo aqui dentro, até ‘Chanel’, se você quiser”.

O pesquisador da UFMT fez parte do grupo formado por entidades e jornalistas convidados a conhecer as instalações do CIR. O diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz, fará a mesma visita técnica em janeiro. Para o especialista, como a operação do terminal está iniciando, algumas adaptações ainda devem ser feitas também em relação ao treinamento de pessoal, já que as cobranças serão maiores no ano que vem, sobretudo quando iniciar a colheita e o carregamento da soja. “O volume de carretas será maior. Vai ser diferente e vão ter que se preparar para isso”.

Leia também:  Mercado de gás está se tornando mais aberto e competitivo

Vaz ressalta a importância de Mato Grosso buscar modais de transporte mais baratos como a própria ferrovia. “A expansão dos trilhos até Cuiabá e depois Santarém, e a viabilidade da Fico (Ferrovia de Integração Centro-Oeste) serão muito importantes. Acho que Mato Grosso será outro Estado em 3 anos, e cada ano vai melhorar com a BR-163 concluída e a consolidação do terminal de Rondonópolis, que terá uma eficiência maior, somando soluções que vão viabilizar modais mais baratos”.

Mas tem profissional das estradas temendo a expansão da ferrovia. Morador de Rondonópolis, o caminheiro Lenilton Coelho dos Santos acredita que haverá desemprego na categoria porque o trecho percorrido pelos motoristas será menor, apenas da lavoura até a ferrovia. Além disso, Santos cobra ajustes nos terminais para receber os caminhoneiros.

Leia também:  Troca de informações e uso de lápis podem levar à eliminação no Enem

O colega dele, Fernando Ferreira Muniz, reclama da organização no local. Segundo ele, falta treinamento das equipes que fazem a escala da fila. “Eu acho que esse aqui é o melhor e tem tudo para ser o melhor. Falta só um pouquinho de preparação do pessoal”. O gerente de Operação da ALL explica que a fase inicial de funcionamento do terminal começou sem o armazém, fazendo apenas o transbordo direto para os vagões. Hoje, a situação foi resolvida com o armazém, que tem capacidade estática de 60 mil toneladas, suficiente para receber grãos transportados por 1,5 mil carretas.

Outra medida adotada foi o sistema de agendamento das carretas para o transbordo. Segundo Paim, os caminhoneiros que não agendam o descarregamento precisam aguardar num pátio de triagem localizado no Distrito Industrial de Rondonópolis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.