A substituição do Major Sandro Barbosa, ex-comandante do 5º Batalhão de Polícia Militar, parece passar longe das declarações de que a causa seria os números elevados do crime na cidade.

Segundo fontes da Coluna Bastidores, a substituição de Sandro teria muito mais cunho político, isso porque segundo a informação recebida, um pré-candidato a deputado estadual com estreitíssimas ligações com a cúpula da PM estaria pedindo a “cabeça” do ex-comandante há algum tempo, tudo porque Sandro não estaria disposto a “entrar” e muito menos obrigar seus comandados a “participar” da campanha do “preferido” da cúpula.

Aliás, a desculpa dos números não convence ninguém já que os índices de 2011, 2012 e 2013 não podem ser comparados pelo tamanho do efetivo dos três anos. Em 2011, um curso de formação de soldados elevou o número de homens da PM no município, mas após o término boa parte foi designada para outros municípios da região Sul.

Leia também:  OAB quer quebra de sigilo em delação de Silval

Em 2012 o advento da Secretaria Municipal de Apoio a Segurança Pública (Semasp), mantinha não só mais policiais nas ruas como viaturas, já em 2013 sem os soldados alunos e a Semasp, o número de policias nas ruas foi reduzido e pirou com o início de um curso de formação de sargentos que retirou ainda mais policiais do 5º BPM que foram para Cuiabá estudar, aumentando a sensação de insegurança e os números da criminalidade.

Resta agora saber se o novo comandante vai conseguir “melhorar” os números com as mesmas condições ou se o candidato queridinho da cúpula da PM vai conseguir mais viaturas, a instalação do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), mais policiais e reparar o eterno problema de comunicação do 190 e esperar e rezar.

Leia também:  INSS local deve ter médico perito
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.