Como atuamos essencialmente em programas voltados para o desenvolvimento dos recursos humanos tanto com nível profissional quanto pessoal cedo tiveram que aprender a importância da individualidade. Em outras palavras, cada pessoa é um mundo à parte, com toda uma gama de complexidades, muitas delas desconhecidas pelo próprio indivíduo. Mesmo a equipe mais coesa, onde já se conseguiu um processo sinérgico admirável; mesmo na união mais íntima e harmoniosa, como é o caso de alguns casamentos bem-sucedidos, cada indivíduo é uma pessoa única.

Quem nunca passou pela estranha e inquietante experiência de momentaneamente tornar-se um ilustre desconhecido para si mesmo? Pois é. Ás vezes tem dificuldades em reconhecermo-nos em nossos pensamentos e nos nossos próprios atos. Há ocasiões, inclusive, que temos dificuldade em reconhecermo-nos até fisicamente. O espelho que o diga.

Leia também:  Quando até a indignação é corrompida

Procurar entender as pessoas como realmente elas são, vai ajudar-nos muito no processo de convivência humana em todos os segmentos da vida, notadamente no âmbito empresarial. As pessoas são diferentes nas características físicas, mentais e espirituais. No exercício profissional, então, as diferenças são bem mais nítidas. No contexto de uma microempresa, com cinco funcionários, até uma grande, com quinhentos funcionários, todos são diferentes. Assim, podemos instituir um padrão de desempenho, porém nunca um padrão de pensamento.

Gostaria de dizer algo mais a respeito do que se convencionou chamar “padrão de desempenho”. Um padrão de desempenho, por mais automatizado que seja, pode até uniformizar a atuação do pessoal, e isso é mais válido quanto maior for à mecanização de uma tarefa, pode também gerar produção em série, tudo igualzinho. Mas a essência da ação prática é personalíssima, ou seja, Manoel e Francisco apertam parafusos numa mesma linha de montagem, mas essa tarefa idêntica traz a marca pessoal de cada operário. Em outras palavras, um padrão é algo uniforme, mas o desempenho é sempre pessoal.

Leia também:  Atenção | Como se proteger da nova onda de ataques de Ransomware “PETYA”,

Seria correto, então, afirmarmos que, ao se fixar um padrão de desempenho, pode-se obter um resultado único ao cabo de uma tarefa? Sim, desde que os recursos humanos alocados para o desempenho específico da tarefa sejam treinados para tal e que o instrumental necessário à empreitada esteja funcionando bem. Por favor, espere um pouco mais antes de tirar conclusões definitivas.

Se a assertiva acima está totalmente correta, por que o meu time de futebol não monta um “padrão de desempenho em campo” e ganha todas? “Por que a minha equipe de vendas não “fatura todas”, já que investimos uma nota preta em treinamentos, seminários, outros mais, para dotá-la de um alto padrão de desempenho”? Por que, mesmo tendo um “padrão de desempenho” rígido, a minha produção está sempre atrasada? E agora?

Leia também:  Sistema Penitenciário e omissão estatal

Reinaldo do Carmo de Souza

Professor da Universidade de Cuiabá – UNIC, pelo Programa de Expansão Universitário – PEU.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.