Foto: José Medeiros/divulgação
Foto: José Medeiros/divulgação

O deputado estadual Zeca Viana e o senador Pedro Taques foram reeleitos neste sábado (30.11), respectivamente, presidente e vice-presidente do Diretório Regional do Partido Democrático Trabalhista em Mato Grosso (PDT/MT). O mandato é de dois anos, ou seja, de 2014 até 2016.

A escolha se deu por aclamação dos mais de 600 correligionários que participaram da convenção estadual da sigla, no Hotel Fazenda Mato Grosso, em Cuiabá.  Viana e Taques encabeçaram chapa única.

O anúncio da composição da executiva estadual foi feito pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Acompanhado do ministro do Trabalho, Manoel Dias, e do senador Cristovam Buarque, Lupi está em Cuiabá, exclusivamente, para ratificar apoio ao projeto do PDT de Mato Grosso.

A nova diretoria terá a missão de conduzir o partido na eleição de 2014. Presidente do PDT nacional, Carlos Lupi, deu total autonomia aos dirigentes pedetistas no Estado. “Confiamos nas ideias de Pedro Taques e nos dirigentes do partido. Quando se fala em aliança tem que se preocupar com quem conduz o carro. E nós confiamos nos nossos companheiros aqui”, disse Lupi.

Leia também:  Em clima quente com bate-boca e empurrões sessão do Senado é suspensa

Reconduzido ao cargo, o deputado Zeca Viana relembrou a eleição de 2011 e destacou que, à época, foi um março histórico, visto que há dez anos não se realizava eleição para o Diretório Regional. “Hoje, recebo, novamente, essa missão com mais entusiasmo e vontade de trabalhar pelo PDT, pois temos um grande projeto para 2014. E esse projeto vai moralizar este estado tomado pela prática podre da corrupção”, disse o deputado.

Embora o tema candidatura ao governo de Mato Grosso tenha sido recorrente, Pedro Taques ressaltou que o momento é de falar sobre os desafios e oportunidades de Mato Grosso. “Antes de falar em nomes, temos que falar de Mato Grosso. Eu não defendo nome, defendo causas e meu partido é Mato Grosso. Sozinhos, não conseguiremos mudar. Precisamos de companheiros, de amigos para esta caminhada por um Mato Grosso mais justo e igualitário”, disse o senador.

Leia também:  Bolsonaro passa Lula e lidera pesquisas para presidência de 2018

Todos os discursos que antecederam a aclamação da executiva foram norteados pelo reforço ao projeto do PDT de lançar candidatura própria à eleição majoritária de 2014.

Presidente do PSB em Mato Grosso, o prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, afirmou que a aliança com o PDT irá permanecer. “Política não é atividade individual, é coletiva. Por isso vejo com alegria o PDT. Com certeza, em 2014 estaremos juntos pelas ideias, pelo projeto, por aquilo que queremos para Mato Grosso”, afirmou Mauro Mendes.

Representando o PPS, Eduardo Moura destacou que, apesar das conjecturas contrárias, o grupo possui diálogo direto com o agronegócio. “Agora inventaram que o agronegócio não será representado por nós. O agronegócio não é monopólio de ninguém, temos muito representantes deste segmento deste lado”, defendeu Eduardo Moura.

Leia também:  Irmã de Aécio Neves deixa presídio e segue para prisão domiciliar

Para o prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), o estado precisa passar por um choque de gestão. “Temos que acabar com as moscas da política. Essa é a missão de Pedro Taques. Mas para isso não vamos fazer acordo com qualquer um”, argumentou Otaviano Pivetta.

O senador Cristovam Buarque definiu a manhã de hoje como histórica. “Estamos dando o pontapé inicial de um grande projeto para Mato Grosso. Fico triste por perdermos um grande senador. Mas, tenho certeza que ele vai contribuir muito com este estado. Taques é um grande estadista que o país vai ter na próxima década”, concluiu Buarque.

Além dos militantes do PDT, a convenção contou com a participação de nove legendas convidadas: PSB, PPS, PV, PSDB, DEM, PTB, PTN, PRP e PSC.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.