Os moradores da cidade de São Paulo começam o ano pagando mais caro por produtos e serviços, principalmente, na compra de itens alimentícios e nas despesas com moradia. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), apresentou alta de 0,74% no início de janeiro. Em dezembro de 2013, o aumentou ficou em 0,65%.

Dos sete grupos pesquisados, os que mais influenciaram o avanço foram os de alimentação, com variação de 0,81% ante 0,65%, e habitação, que oscilou 0,59% ante 0,56%. A terceira maior pressão sobre o custo de vida das famílias paulistanas foi constatada no grupo despesas pessoais, que passou de 0,79% para 1,15%. Nesse ramo, o cigarro é o item que tem provocado efeito na inflação.

Leia também:  Ministério da Saúde comemora por não constar desde junho novos casos da febre amarela

Como tradicionalmente ocorre nesta época do ano, o grupo educação apresenta expressivo aumento com 1,21% ante 0,07%, mas a contribuição sobre o IPC médio ficou em 5,96%.

Nos demais grupos, foram registradas as seguintes oscilações: transportes (de 0,90% para 0,76%), saúde (de 0,35% para 0,44%) e vestuário (de 0,83% para 0,51%).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.