A arrecadação de impostos no Brasil em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) foi a segunda maior da América Latina em 2012 e ultrapassou a média de receita dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A arrecadação de impostos no país alcançou 36,3% do PIB em 2012, enquanto na Argentina chegou a 37,3%. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (20) pela OCDE, em Santiago, no Chile.

Os dois países são os únicos entre 18 do continente a ultrapassar a média de arrecadação dos países da OCDE que é de 34,6%.

O órgão internacional reúne 34 países, considerados os mais industrializados e com economias emergentes. Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido integram o bloco.

Leia também:  Dia das Crianças: Comércio estima aumento de 100% nas vendas em Rondonópolis | TV Agora

Guatemala e República Dominicana (13,5%) tiveram as menores arrecadações da região em 2012, 13,5% a 12,3% do PIB, respectivamente.  A maior variação vista entre os membros da OCDE foi entre Dinamarca (48% do PIB) e México (18,9% do PIB).

A arrecadação de impostos aumentou de forma significativa na América Latina nas últimas duas décadas, de 13,9% do PIB em 1990 para 20,7% em 2012. No entanto, a taxa ainda é de 14 pontos percentuais abaixo da média dos países da OCDE, de acordo com o levantamento.

Em 2012, a taxa de arrecadação de impostos aumentou em 13 dos 18 países em relação a 2011. Somente no Chile, Guatemala, México e Uruguai a arrecadação caiu. Na Costa Rica, manteve-se a mesma.

Leia também:  Preço do aluguel cai nos últimos meses em Rondonópolis| TV Agora
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.