Os novos rumos tomados pela Movimento Mato Grosso Muito Mais (MMM) não estão agradando alguns partidos que estão pré-dispostos a apoiar a candidatura do senador Pedro Taques (PDT) ao governo do estado nas eleições de 2014.

A disputa interna por vagas em especial na cabeça de chapa seria o principal motivo da discórdia e mais um item para ampliar o racha na candidatura de Taques.

O primeiro sinal visível deste contentamento foi quando entre algumas siglas a possibilidade do Partido da República (PR) entrar no “barco” exigindo a vaga ao senado na chapa para o seu presidente regional, o deputado federal de cinco mandatos, Wellington Fagundes. Na ocasião, os Democratas, partido do senador Jayme Campos, berrou alto afirmando que não abriria mão da reeleição do seu senador.

Leia também:  Queremos o nosso pedaço

Agora fortes rumores revelariam um novo abalo na relação Taques x Percival Muniz (PPS), que já andaram estremecidas no ano passado (veja aqui).

Percival Muniz cobra Governo e ataca Pedro Taques

Taques cada vez mais longe de Percival

Agora segundo fontes da Coluna Bastidores, Muniz, não estaria nada satisfeito com a declaração de Mauro Mendes, presidente regional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) e prefeito de Cuiabá, indicando o ex-prefeito rondonopolitano Adilton Sachetti para vice de Taques.

Na contas de Muniz, tanto Taques quanto Mendes, ainda devem a ele parte importante nas suas eleições e na projeção estadual, sendo assim, Percival esperava em troca a indicação da primeira-dama rondonopolitana, Ana Carla Muniz (PPS), como vice de Taques nas próximas eleições.

Leia também:  Vilmar vira o "supersincero" no Solidariedade
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.