Marilu de Jesus (mãe do Kaic), Angélica Alves (irmã de Wilsson) e os Pais e parentes de Luiz Henrique - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Marilu de Jesus (mãe do Kaic), Angélica Alves (irmã de Wilsson) e os Pais e parentes de Luiz Henrique – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Hoje (14), faz 90 dias que os três amigos Kaic Oliveira Fascini, 20 anos, Luís Henrique Borges dos Santos, 19 anos e Wilson Alves Gonçalves, 23 anos, desapareceram e apesar do tempo o caso ainda continua um mistério. A Polícia Militar (PM) não descarta a possibilidade de eles terem fugidos ou de estarem mortos.

De acordo com o delegado Vinícius Francisco Prezotto, que está a frente do caso, foi relatado um inquérito detalhado sobre os desaparecimentos e encaminhado ao fórum de Rondonópolis.

“Até o momento, a investigação aponta que os jovens desapareceram no município de Poxoréu. O material foi encaminhado ao Fórum de Rondonópolis, agora cabe a justiça, se tiver o mesmo entendimento encaminhar o processo ao Fórum da comarca de Poxoréu e de lá eles continuarem com as investigações”, explica o delegado.

Leia também:  Estelionato | Homem é preso suspeito de aplicar golpes em hotéis de MT

ENTENDA
Os três jovens sumiram na noite do dia 14 de Outubro de 2013. Na data, os familiares dos jovens contaram que Luís Henrique Borges dos Santos, teria pegado o veículo do pai, passado na casa dos amigos e seguido viajem para Primavera do Leste, há 130 quilômetros de Rondonópolis, porém nenhum deles avisou aos parentes para onde iriam.

Ainda na cidade, jantaram na casa da tia de um deles e na mesma noite retornaram. Conforme os familiares, ao passar por Poxoréu, Kaic avisou um primo, via ‘Watsapp’, que estaria passando pela cidade. Na noite do sumiço, ambos os jovens não disseram as famílias para onde iriam.

Leia também:  Engavetamento com caminhões deixa vítima em estado grave na BR-163

Dez dias depois do desaparecimento, um dos jovens, Kaic Oliveira que já tinha extensa ficha criminal, seria preso na mega ‘Operação Ad Sumus’ do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). A operação tinha como intenção prender pessoas envolvidas com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Na época a Polícia Militar descartou a hipótese de eles terem fugido em função da operação, já que era muito sigilosa.

Familiares ainda seguem em busca de informações sobre o paradeiro dos jovens, eles acreditam que ambos estavam juntos no momento do desaparecimentos e não entendem o que pode ter acontecido com os garotos.

VEJA TAMBÉM – Um dos desaparecidos seria preso na Operação contra PCC 

Leia também:  Homem é preso após arrombar três veículos na UPA em Rondonópolis

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.