Georges St-Pierre abdicou do título do peso-meio-médio do Ultimate após sua vitória por pontos sobre Johny Hendricks no UFC 167, no dia 16 de novembro, alegando problemas particulares. O canadense não definiu se a atitude era uma aposentadoria e deixou aberta a possibilidade de voltar ao esporte. Mas nem o afastamento momentâneo o tirou dos holofotes. Em uma entrevista ao site do canal de TV canadense “RDS” no início da semana, ele disse que um dos motivos que o forçou a dar uma pausa no esporte foi a política antidoping do UFC, que segundo ele não é tão eficiente. Antes do duelo contra Hendricks, ele propôs que os dois atletas se submetessem ao teste da Associação Voluntária Antidoping (VADA), o que foi negado pelo americano.

Após o UFC Rockhold x Philippou desta quarta-feira, Dana White respondeu. O dirigente garantiu que nenhuma outra organização de MMA testa tanto seus lutadores quanto o Ultimate e pediu para que o canadense vá até ele para resolver qualquer problema.

Leia também:  Adversário do União aposta em retrospecto do Mineiro, no Pato Loco e em ex-meia do Santos

– Georges St-Pierre acha que deveria ter sido feito um determinado tipo de teste nos lutadores, e ele fez nele mesmo. Ele escolheu fazer e fez. No boxe, os caras são testados há décadas, e eles não chegaram a um consenso até hoje. A comissão Atlética de Nevada irá testá-los. Nossos atletas são testados. Muitos fazem TRT, o que é permitido. Mas eles são monitorados. Talvez a luta que eu mais gostei de ver na vida tenha sido Antônio Pezão x Mark Hunt.

Os dois foram testados, e Pezão foi pego acima do limite. Sabe o que aconteceu? Ele foi destruído. Perdeu a sua bolsa, o bônus por vitória, todos os outros bônus e foi suspenso. É isso que acontece com quem é pego fora dos limites. Vitor Belfort é sempre testado, e sempre está dentro dos limites legais estabelecidos. Não sei por que Georges St-Pierre disse o que disse, mas acho que ele deveria ter vindo falar comigo cara a cara, como um homem – disse o presidente do UFC.

Leia também:  Luverdense perde do Inter com gol polêmico no final

Para Dana White, os comentários de Georges St-Pierre estão sendo influenciados pelo desapontamento que o lutador teria tido com as declarações do próprio dirigente na entrevista coletiva após o UFC 167.

– Acho que Georges St-Pierre está chateado comigo por tudo que eu disse na coletiva após o UFC 167 e por eu ter dito que ele não ganhou a luta. Se é isso, ele deveria agir como um homem e me ligar, ou vir aqui e falar comigo. Acho essa situação toda muito estranha. Ele disse que nós somos um monopólio. Nosso concorrente é a Viacom, uma empresa que vale 40 bilhões de dólares. Eu jamais vou ver essa quantidade de dinheiro na minha vida, e nem o UFC. Se uma empresa dessa é a nossa concorrente, não sei como podemos ser um monopólio. Se ele acha alguma coisa sobre qualquer assunto, ele deveria vir aqui e dizer, ou falar para mim. Não sou um cara muito sensível, ele não iria ferir meus sentimentos. Eu acho que ele perdeu a luta para Johny Hendricks. Se isso o magoou, ele deveria me dizer isso. Eu jamais disse algo ruim sobre ele. Por isso acho essa situação surreal. Ele queria ficar fora por um tempo por problemas pessoais e agora está dando mais entrevistas do que quando estava lutando…

Leia também:  MT | Inscrições para Circuito Estadual de Tênis encerram nesta segunda

Sem Georges St-Pierre, o Ultimate agendou uma luta entre Johny Hendricks e Robbie Lawler para o dia 15 de março, em Dallas (EUA). O vencedor será declarado o mais novo campeão dos meio-médios.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.