Acadêmica Adivane Morais Nogueira - Foto: Aécio Morais/AGORA MT
Acadêmica Adivane Morais Nogueira – Foto: Aécio Morais/AGORA MT

Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) do campus de Rondonópolis, fazem durante toda esta segunda-feira (20) um protesto em frente a reitoria da unidade de educação em indignação pelo atraso do pagamento das bolsas de assistência estudantil.

A acadêmica Adivane Morais Nogueira argumenta que desde dezembro tem ocorrido o atraso no pagamento do benefício que tem a finalidade de ajudar os universitários a se manterem na cidade, nas despesas de aluguel e alimentação, por exemplo, e muitos têm passado necessidades e constrangimentos em decorrência do não pagamento da bolsa, inclusive com a possibilidade de despejo.

Adivane expôs que entre 300 e 500 alunos da UFMT de Rondonópolis não têm condições de se manter na academia e dependem exclusivamente do benefício. A estudante frisou que para obter o auxilio, o universitário deve realizar pesquisas na instituição e não pode ter outro vinculo empregatício.

Leia também:  Paralisação | Equipe médica da UTI Neonatal e Pediátrica da Santa Casa desistem de atendimentos

O problema, segundo a acadêmica, é a falta de informação, pois o Ministério da Educação (MEC) afirma que o dinheiro já foi repassado para a UFMT e a instituição declara que aguarda a liberação dos valores pelo MEC e o problema é transferido de um para outro, havendo rumores de serem liberados apenas em março.

O pró-reitor do campus, Javert Melo Vieira, relatou que infelizmente não pode fazer nada, pois todo o processo de transferência do MEC para os acadêmicos é feito por Cuiabá, mas foi informado que os pagamentos foram liberados na sexta-feira (17) e deve estar disponível até na próxima quarta-feira (22).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.