Mais
    Agora MT Variedades Saúde e Bem-estar Meditar meia hora diariamente pode aliviar ansiedade e depressão
    SAúDE E BEM-ESTAR

    Meditar meia hora diariamente pode aliviar ansiedade e depressão

    Da Redação com Copyright AFP
    VIA

    Meditar por meia hora todos os dias ajuda a aliviar os sintomas da ansiedade e da depressão, revela uma análise feita com base em resultados de cerca de 50 testes clínicos.

    Segundo Madhav Goyal, professor adjunto de medicina interna na universidade Johns Hopkins e principal autor deste estudo publicado esta segunda-feira (6) na edição online do JAMA (Journal of the American Medical Association), “um grande número de pessoas recorre à meditação mas este exercício não é considerado parte de alguma terapia médica”.

    — Mas na nossa pesquisa, a meditação parece aliviar os sintomas da ansiedade e de depressão, tanto quanto os antidepressivos em outros estudos.

    Os cientistas avaliaram o nível de mudança dos sintomas entre as pessoas que sofrem de uma variedade de problemas de saúde, como a insônia ou a fibromialgia, um transtorno que causa dores musculares crônicas. Apenas uma minoria destes pacientes sofria de uma doença mental, afirmaram os autores.

    Eles constataram que a meditação conhecida como “de plena consciência”, uma técnica budista que consiste em concentrar a atenção no momento presente, mostrou-se particularmente promissora.

    Geralmente, eles observaram sinais de melhora nos sintomas da ansiedade, da depressão e da dor, depois de um programa de meditação de meia hora por dia. Mas os cientistas observaram poucos indícios de melhora do nível de estresse ou da qualidade de vida.

    Nos testes clínicos analisados, nos quais os pacientes foram acompanhados por seis meses, os cientistas observaram que os benefícios da medicação persistiram.

    Esta análise incluiu 47 testes clínicos com um total de 3.515 participantes que praticavam diferentes técnicas de meditação e que sofriam de diversos problemas mentais e físicos, entre eles depressão, ansiedade, estresse, insônia e inclusive diabetes ou câncer.

    Relacionadas

    Quando foi que a violência virou resposta?

    Estou enojado. Causou-me verdadeiro asco a atitude do Procurador do município de Registro, no interior paulista, Demétrio Oliveira Macedo, de 34 anos, que agrediu...

    Flamengo oficializa e Everton Cebolinha assina contrato

    ​​O Flamengo anunciou oficialmente nesta segunda-feira (20) a contratação do atacante Everton Cebolinha, que vai vestir a camisa número 19 do clube. O jogador de...

    Humanos buscam amigos com odor corporal semelhante, diz estudo

    A "química" entre as pessoas é poderosa, e não se trata apenas de uma metáfora, segundo um estudo publicado pela revista Science Advances, que...

    Conheça exercícios que melhoram a respiração dos idosos

    Com o envelhecimento, é natural ocorrerem alterações fisiológicas no organismo, favorecendo assim o aparecimento de  problemas na saúde da terceira idade. Um dos sistemas...

    Seu filho está viciado no celular? Confira 4 maneiras de limitar os efeitos do tempo de tela

    Na era digital, o uso de telas, seja para fins profissionais ou recreativos, aumentou muito. Se os adultos estão viciados, as crianças não ficam...

    “Waking Rest”: conheça a técnica de relaxamento que promete te fazer descansar acordado

    Com que frequência você se sente exausto? Quando estamos cansados ​​ou estressados, é muito importante pararmos por alguns minutos e dar atenção para dentro...

    Café coado em filtro de papel é associado a menor risco de morte

    Beber o bom e velho café coado em um filtro de papel pode contribuir para a redução de fatores de risco para doenças cardiovasculares e morte. Um...

    Cadê o Estado que era para estar aqui?

    Era o ano de 1895. No interior da Bahia, surgia um beato profetizando o fim do mundo. Antônio Conselheiro, como era conhecido, ergueu-se contra...

    Tem tempo para tudo!

    Há pouco, conversava com alguns colegas de trabalho sobre o tempo de nossa infância, entre os que nascemos nas décadas de 1960 e 1970....

    Especiais

    Últimas

    Editoriais

    Siga-nos

    Mais Lidas