Os consumidores brasileiros continuam otimistas mesmo com desaceleração da economia. De acordo com o relatório do Credit Suisse, 58% esperam uma melhora na sua situação financeira nos próximos seis meses.

A quantia é menor do que os 63% registrados no ano passado, mas é a melhor taxa da pesquisa, que levou o comportamento dos consumidores da África do Sul, Arábia Saudita, Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia. O otimismo é explicado pela baixa taxa de desemprego e pelo crescimento da renda.

No entanto, o número dos brasileiros que consideram agora um bom momento para fazer uma compra de peso caiu e a taxa daqueles que esperam mais inflação passou de 10% para 40% entre 2013 e 2012. Agora, os consumidores estão gastando mais com itens cotidianos do que com coisas maiores, como imóveis e carros.

Leia também:  Rondopolitano já pagou quase R$ 73 milhões de impostos em 2017

Outros países

De modo geral, o ano de 2013 viu um aumento do “ceticismo e desconforto” entre os emergentes, sendo que os russos são os mais pessimistas com a situação financeira. Além disso, a pesquisa mostra que a parcela da população de baixa renda da Rússia e da África do Sul está bastante pessimista, enquanto os ricos estão bastante otimistas.

Por outro lado, na Indonésia as classes mais baixas se veem com perspectivas melhores do que as classes mais altas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.