No ano da Copa do Mundo, as escolas estabeleceram calendários diferenciados: umas optaram por férias mais longas no meio do ano, para englobar todo o período de jogos, outras por liberar os alunos nos horários ou mesmo nos dias de jogo.

Em todos os casos, o mínimo de 200 dias letivos e de 800 horas no ano estabelecido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9.394/1996) devem ser cumpridos.

A Lei Geral da Copa (12.663/2012) estabelece que os sistemas de ensino ajustem os calendários escolares de forma que as férias das redes pública e privada abranjam todo o período da Copa, de 12 de junho a 13 de julho do próximo ano.

No entanto, um parecer do Conselho Nacional de Educação, deu autonomia às escolas e às redes de ensino para decidir o calendário.

Nas 12 cidades-sede, os alunos serão liberados nos dias ou horários dos jogos do Brasil e os que acontecerem no local. Nas demais, isso acontece apenas nos jogos do País.

Públicas

Entre as escolas públicas, a decisão ficou a cargo das secretarias de educação dos Estados e das prefeituras.

Leia também:  Acidente envolvendo veículo do Corpo de Bombeiros deixam pessoas feridas em SP

— Todas as secretarias de educação discutiram democraticamente o calendário escolar, com o objetivo de garantir que esse grande evento mundial não impactasse negativamente no processo de ensino e de aprendizagem — explica a presidente do Consed  (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e secretária do Mato Grosso do Sul (MS), Maria Nilene Badeca da Costa.

Ela explica que nas escolas estaduais do MS, as férias do meio do ano vão abranger parte do período da Copa, de 8 a 22 de julho. Não haverá aula nos dias do jogo do Brasil e esses dias letivos serão repostos aos sábados antes do início da Copa.

Antecipação

Em outros casos, como no Distrito Federal, as aulas começarão mais cedo, na terça-feira (5). As escolas públicas estarão em recesso durante todo o período da Copa.

Pernambuco começa as aulas junto com o DF, mas as férias vão de 11 de junho a 2 de julho. No Mato Grosso, as aulas começam no dia 17 de março, o recesso vai de 27 de junho a 11 de julho e haverá reposição de aulas aos sábados. Os calendários podem ser consultados nas páginas das secretarias de Educação.

Leia também:  Motorista invade trecho interditado e mata trabalhadores no RJ

Nas escolas públicas municipais, os calendários também são variados.

— Nos municípios temos outra realidade, temos o ensino fundamental, as creches. São os pais que levam as crianças – afirma o membro da diretoria da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e Secretário de Educação de Florianópolis, Rodolfo Joaquim Pinto da Luz.

Não há um levantamento oficial dos mais de 5 mil municípios brasileiros, mas ele acredita que a maioria das cidades tenha optado por um calendário normal e que as grandes alterações tenham sido feitas nas cidades-sede.

Conteúdo

Com os calendários já ajustados, a preocupação dos pais é como as escolas vão administrar os conteúdos.

— Vamos ter prejuízos se as escolas não souberem controlar a questão de novos conteúdos e de provas — diz o presidente da Aspa-DF (Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino), Luis Claudio Megiorin — A cabeça das crianças e dos adolescentes vai estar 100% voltada para os jogos e não interessa se são ou não do Brasil. As escolas que optaram por dar aulas, devem levar isso em consideração.

Leia também:  Homem embriagado quebra o braço da esposa com cadeirada e a deixa trancada em casa

Faltas

A presidente da Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares), Amábile Pacios, diz que o papel dos pais é fundamental para incentivar os estudantes e até mesmo para impedir que eles faltem aula.

— O aluno só vai faltar aula se o responsável autorizar. A escola vai estar aberta e trabalhando — diz — A escola não vai fazer um calendário para prejudicar os alunos. Temos um evento, temos que assumir isso e fazer de forma que se tenha o menor prejuízo possível.

Além de ministrar ou não aulas e os conteúdos anuais, na visão do professor de pós-graduação da Universidade Católica de Brasília e da Faculdade de Educação da UnB (Universidade de Brasília) Célio da Cunha, a Copa é um momento de aprendizagem.

— Com a presença de milhões de pessoas vindas de vários continentes e várias culturas, é um extraordinário momento de aprendizagem intercultural — diz — A escola poderia aproveitar esse momento e trabalhar didaticamente esse evento, tanto em termos esportivos quanto das manifestações nas ruas. O que queremos para o nosso país? É uma oportunidade inédita de levar essa reflexão para a sala de aula.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.