ESPANHA

Segundo melhor time do mundo na atualidade, só atrás dos Estados Unidos, os espanhóis, além de anfitriões do Mundial, são os atuais vice-campeões olímpicos. Na decisão em Londres, em 2012, A Espanha foi derrotada pelos americanos por 107 a 100.

No Europeu de seleções do ano passado, o país não confirmou seu favoritismo ao título e foi surpreendido pela França nas semifinais, ficando “apenas” com a terceira colocação. Na disputa pelo bronze, os espanhóis venceram a Croácia por 92 a 66.

Campeã mundial em 2006, a Espanha tenta voltar ao topo da competição, após a decepcionante atuação quatro anos depois na Turquia, quando terminou na sexta colocação.

Com cinco jogadores na NBA, seus principais destaques são:

Pau Gasol – Com 33 anos, o experiente pivô ganhou dois anéis com o Los Angeles Lakers nas temporadas 2008-2009 e 2009-2010. Na sua décima segunda temporada com o time da Califórnia, o campeão mundial com a Espanha em 2006 e europeu em 2009 vem enfrentando problemas com lesões e com o desempenho ruim da franquia. Uma transferência para o Phoenix Suns fez sendo cogitada. Nesta edição, Gasol tem médias de 17 pontos, 10.2 rebotes e 3.4 assistências.

Ricky Rubio – Com apenas duas temporadas de experiência na maior liga do mundo, o armador de 23 anos é apontado como a maior promessa do basquete espanhol. Com 8.3 pontos, 8.5 assistências e 4.5 rebotes por partida, o jogador do Minnesota Timberwolves fez parte do grupo que conquistou o Europeu em 2009 e que ficou com a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres.

Serge Ibaka – Nascido na Com quatro temporadas de experiência na NBA, o pivô do Oklahoma City Thunder também esteve nas conquistas do Europeu de 2009, do Mundial de 2006 e do vice-campeonato olímpico em Londres. Aos 24 anos, o jogador tem médias de 15 pontos e 8.8 rebotes na atual temporada.

Marc Gasol – Quatro anos mais novo que o irmão, o pivô também foi campeão mundial com a Espanha na Turquia e campeão europeu na Polônia, em 2009. Nas suas cinco temporadas no melhor basquete do mundo, o atleta do Memphis Grizzlies apresenta médias de 13.9 pontos, 6.3 rebotes e 3.4 assistências.

Leia também:  Com a demissão de Ceni, São Paulo vai completar 16 técnicos em 8 anos

Rudy Fernández – Campeão mundial em 2006 e europeu em 2009, o ala-armador de 28 anos atuou no Denver Nuggets e no Portland Trail Blazers antes de retornar ao basquete espanhol no ano passado. Atualmente no Real Madrid, o jogador tem médias de 12.9 pontos e 2.6 assistências por jogo na Liga Espanhola.

José Manuel Calderon – Campeão Mundial em 2006, europeu em 2009 e vice-olímpico em 2012, o armador Jose Calderon é um dos jogadores mais experientes da vitoriosa geração espanhola. Aos 32 anos, o jogador do Dallas Mavericks tem médias de 11.9 pontos e 4.9 assistências em 49 partidas. Na sua oitava temporada na NBA, Calderon também defendeu o Toronto Raptorsj.

O técnico Juan Antonio Orenga ainda conta com Victor Claver, ala, de 25 anos, que atua noPortland Trail Blazers.

FRANÇA

É a atual campeã europeia (2013). Na decisão, o time do MVP Tony Parker derrotou a Lituânia por 80 a 66, após eliminar, nas semifinais, a favorita Espanha.

Sexta colocada nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012. Nas oitavas de final, os franceses foram derrotados pelos espanhóis por 66 a 59.
Décimo terceiro lugar no Mundial da Turquia (2010), a França busca algo inédito na sua história: conquistar uma medalha. Nas 16 edições anteriores, o país jamais subiu no pódio. Seu melhor desempenho aconteceu em 1954, no Rio de Janeiro, quando terminou na quarta posição, ao perder a disputa pelo bronze para as Filipinas.

País que mais tem estrangeiros na NBA (11), os franceses têm como destaques:

Tony Parker – Aos 31 anos, armador atua no San Antonio Spurs e está na sua décima segunda temporada. Três vezes campeão da NBA (2002-2003, 2004-2005 e 2006-2007), o francês nascido na Bélgica tem médias de 18.4 pontos, 6.4 assistências e 2.4 rebotes em 44 partidas na atual temporada. Com 19 pontos por partida, Parker comandou o título europeu da França em 2013 e foi eleito o MVP da competição
Boris Diaw – Companheiro de Parker, o ala de 31 anos está na sua décima temporada e tem médias de 9.6 pontos, 3.5 rebotes e 2.4 assistências em 46 jogos. O jogador, que teve passagens por Atlanta Hawks, Toronto Raptors, Phoenix Suns e Charlotte Bobcats, foi outro destaque da França no título europeu com uma média de 10.4 pontos.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

Nicolas Batum – Com apenas cinco temporadas na NBA, o ala de 25 anos tem sido um dos destaques da surpreendente campanha do Portland Trail Blazers. Mais um campeão europeu, o atleta tem médias de 12.8 pontos, 6.5 rebotes e 5.5 assistências na temporada.

Além dos três citados, a equipe comandada por Vicent Collet ainda conta com os perigosos Nando de Colo (San Antonio Spurs), Evan Fournier (Denver Nuggets), Rudy Gobert (Utah Jazz), Ian Mahinmi (Indiana Pacers), Erik Murphy (Chicago Bulls), Kevin Seraphin (Washington Wizards), Ronny Turiaf (Minnesota Timberwolves) e Alexis Ajinca (New Orleans Pelicans).

SÉRVIA

Vice-campeã europeia em 2009 ao perder para a Espanha por 85 a 63.

Sétimo lugar no último europeu ao ser eliminada, novamente, pela Espanha nas quartas de final, por 90 a 60, e vencer a Itália na disputa pela sétima posição, por 76 a 64. Mas se a campanha não foi das melhores, os sérvios podem se orgulhar de terem batido a Lituânia, uma das quatro cabeças de chave deste Mundial, e a França, campeã da competição.O país ocupa o 11º lugar no ranking da Fiba, um abaixo do Brasil.
O país não participou das Olimpíadas de Londres, em 2012.

Conheça os destaques da Sérvia:

Nenad Krstic – Experiente, aos 30 anos, o capitão da Sérvia jogou sete anos na NBA, com passagens pelo antigo New Jersey Nets (hoje, Brooklyn Nets), Boston Celtics e Oklahoma City Thunder. O pivô fez parte do time da antiga Sérvia e Montenegro nas Olimpíadas de 2004, em Atenas, e do Europeu de 2005. Como capitão da Sérvia, conquistou a medalha de prata no europeu de 2009 e o quarto lugar no último Mundial. Nos últimos dois anos fez parte do primeiro time da Euroliga.

Nemanja Nedović – armador, 22 anos, atua no Golden State Warriors. Em seu primeiro ano na NBA vem tendo baixas médias: 1.1 pontos, 0.7 rebotes e 0.6 assistências, em 6.22 minutos por partida. Nedović foi do time sub-20 da Sérvia, em 2009, 2010 e 2011 no europeu de seleções. Em 2013, ele fez parte da campanha no europeu, quando sua equipe terminou na sétima posição. O jogador oscilou entre boas e más atuações.
Miroslav Raduljica – o pivô de 26 anos do Milwaukee Bucks apresenta média discreta na sua estreia na NBA. Em 11 minutos por jogo, ele anotou 4.6 pontos, 2.5 rebotes e 0.5 assistências. Pelo seu país, jogou no time júnior e ganhou medalha de ouro, em 2005, no Europeu sub-18, em 2007, no sub-19 e, em 2008, no sub-20, quando foi eleito o MVP. Em 2009, pelo mesmo sub-20, ele conquistou sua quarta medalha, desta vez de prata. Foi também o MVP da liga sérvia em 2010. Não esteve no Europeu do ano passado.

Leia também:  Colorado perde e precisa reverter diferença de dois gols

IRÃ E EGITO COMPLETAM O GRUPO A

Além das três seleções europeias, o “Grupo da Morte” ainda conta com os africanos do Egito e os asiáticos do Irã. Vigésimo no ranking da Fiba, os iranianos sonham em surpreender algum dos favoritos para beliscar uma das quatro vagas para a fase seguinte. Para isso conta com boas atuações de Hamed Haddadi, o mais bem-sucedido do time. Aos 28 anos, o pivô acumula passagens pelo Phoenix Suns, Toronto Raptors e Memphis Grizzles da liga americana, além do basquete chinês. Atualmente, o camisa 15 defende as cores do Mahram, clube de seu país. Na final do asiático, contra as Filipinas, ele foi o cestinha com 29 pontos e 16 rebotes na vitória por 85 a 71.

Os egípcios são os piores ranquiados entre as 24 seleções presentes neste Mundial, ocupando a 46ª posição. Sem muitas expectativas, eles desejam ganhar experiência e rodagem internacional. O destaque da seleção é o pivô, de 21 anos, Assem Marei, que jogou a última temporada na Universidade de Minnesota. Com uma média de 13.6 pontos, 7.3 rebotes e 1.1 assistências, durante os 22.5 minutos em quadra, nas 33 partidas, a promessa está elegível para o próximo Draft da NBA.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.