O Ministério Público Federal em Mato Grosso instaurou um inquérito civil público para averiguar a situação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que atende os municípios da região sul do estado e a possibilidade de o serviço ser parcialmente suspenso por falta do repasse de verbas.

De acordo com as declarações da secretária de Saúde de Rondonópolis divulgadas na imprensa local, Mato Grosso não realiza repasse de verba ao município há 14 meses, o que levou à decisão de suspender parcialmente o atendimento caso não seja regularizada a dívida até o dia 5 de março.

A medida poderia fazer com que aproximadamente 200 mil pessoas (das cerca de 400 mil hoje atendidas) ficassem sem atendimento pelo Samu de Rondonópolis, o que demanda a célere atuação dos órgãos de controle com vistas a evitar a efetivação dessa situação, sendo que a atribuição do Ministério Público Federal para o trato da questão se justifica em razão da existência de repasses de verbas federais para funcionamento da unidade de saúde.

Leia também:  Meia tonelada de alimentos são entregues para o Lar de Nazaré

As Secretarias de Saúde do Estado e do Município deverão responder ao Ministério Público Federal sobre o repasse e o recebimento das verbas destinadas ao funcionamento do Samu na região e sobre as medidas pretendidas. Ao Departamento Nacional de Saúde (Denasus), foi solicitado o último relatório de fiscalização realizado em Rondonópolis.

A depender das respostas e dos encaminhamentos dados administrativamente, a solução da problemática poderá ser buscada pela via judicial.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.