Cézar Ricardo Gonçalves Ribeiro - Foto: representação
César Ricardo Gonçalves Ribeiro – Foto: representação

 

Ainda não existem pistas sobre o desaparecimento de César Ricardo Gonçalves Ribeiro, 44 anos, que não dá notícia  a família há mais de sete meses.

César trabalhava como caminhoneiro e de acordo com informações  estava morando em Rondonópolis há quase dois anos.

De acordo com familiares, ele ligava toda semana para a mãe, que reside em Sarandi (RS), no entanto, desde o dia 31 de julho de 2013, não manteve mais contato.

Segundo a irmã do desaparecido, Ana Elisa Ribeiro Machado, já foram feitas várias ligações nos celulares do rapaz, porém os mesmos só dão desligados.

Ana ainda informou a equipe de reportagem do site AGORA MT, que o caso foi registrado na Delegacia de Polícia do município de Ijuí (RS) cidade onde ela reside. Ainda de acordo com a irmã do caminhoneiro, ela nunca soube de nenhum envolvimento de César com algo ilícito ou brigas.

Leia também:  Mulher é detida por embriaguez e por não respeitar a lei do silêncio

Em contato com funcionários de um posto de gasolina onde César costumava passar até mesmo para lavar roupas, algumas pessoas informaram a irmã do desaparecido que há algum tempo ele não aparece no local. Ana informou também que há quatro meses, o irmão havia dado entrada a um processo contra um rapaz que mantinha uma dívida com ele, mas ela não tem muito conhecimento sobre o caso.

A equipe de reportagem do site AGORA MT foi até os locais onde César residia em Rondonópolis, na primeira residência as informações são de que ele morou no local por três meses de favor, por ser amigo da família. Na segunda residência, a dona do quartinho que o desaparecido alugava afirmou que o mesmo morou no local por apenas 15 dias. Ninguém soube informar para onde César foi.

Leia também:  Vítimas são surpreendidas e moto é roubada no Cidade Alta

O delegado Maurício Posselt, responsável pela Polícia Judiciária Civil (PJC) de Ijuí afirmou que o caso foi registrado no dia 15 de janeiro deste ano, e que as informações sobre o fato estão sendo repassadas para a Delegacia de Rondonópolis, porém o delegado substituto Vladimir Faissal da PJC de Rondonópolis afirma não ter recebido ainda nenhuma informação e diz não ter conhecimento sobre o caso.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.