Nos testes de pré-temporada em Jerez de la Frontera, o projetista da RBR, Adrian Newey, viu sua equipe – que conquistou os últimos quatro títulos mundiais, de maneira consecutiva – ter o pior desempenho entre as participantes. A escuderia austríaca foi o time que menos completou voltas devido a problemas de superaquecimento, sendo obrigada a assistir ao carro de Daniel Ricciardo sofrer uma pane na primeira oportunidade em que o estreante foi à pista.

A verdade é que o “mago da aerodinâmica” tem sofrido para encaixar, de maneira harmônica, o novo motor V6, e as novas unidades de recuperação de energia (KERS e ERS) dentro do famoso e extremo pacote aerodinâmico, característica nos carros desenvolvidos pelo britânico, e que fez de Newey um dos maiores projetistas da categoria. Com isso, Adrian acredita que o começo da temporada será decidido muito mais pelo fator motor, do que por todo o conjunto do carro.

Leia também:  União tem desafio diante do Luverdense em Lucas

– Pelo menos na primeira parte da temporada, estaremos falando de uma “Fórmula Motor”. Confiabilidade, potência e consumo de combustível: estes serão os fatores decisivos. A aerodinâmica só fará diferença quando os motores estiverem “maduros” – analisa.

O britânico de 55 anos viu na temporada de 2014 um desafio como nunca antes.

– Este é o maior desafio da minha carreira, pois tivemos um período curtíssimo de desenvolvimento para construir um carro muito complexo – admitiu.

Os novos V6 voltam a roncar na segunda bateria de testes da pré-temporada, no Bahrein, de 19 a 22 de fevereiro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.