O deputado Walter Rabello (PSD) propôs mudanças na tarifa social única aos veículos automotores que passarem pela mesma praça de pedágio no período de 12 horas. O órgão ou empresa responsável pela praça de pedágio deverá providenciar os meios necessários no que diz respeito ao correto registro de passagem pela respectiva praça de pedágio, inclusive, nos casos de pagamento através de cartão de pedágio.

A simples apresentação na praça de pedágio do comprovante de pagamento permitirá o livre trânsito dentro do respectivo período. De acordo com o parlamentar, nos últimos anos, a carência de recursos públicos para a realização de investimentos em infraestrutura levou à adoção de uma política de concessão de rodovias à iniciativa privada, mediante a cobrança de pedágio.

Leia também:  Pró-Limão transforma vida de pequenos produtores rurais em Mato Grosso

“Tal movimento provocou algumas pequenas melhorias na nossa malha rodoviária, mas trouxe também inconvenientes que só com o tempo estão sendo percebidos e corrigidos, como é o caso”, disse o deputado.

Walter Rabello alega que, fundamenta-se na urgência em amenizar os gastos dos cidadãos e cidadãs que fazem percurso de ida e volta em veículos automotores na mesma praça de pedágio mais de uma vez no período de 12 horas. A proposta tem como alvo especialmente os cidadãos trabalhadores e estudantes, os quais se encontram obrigados a desembolsar valores considerados inviáveis do ponto de vista financeiro.

“A insatisfação revelada pelos moradores das regiões que serão afetadas está centrada na necessidade de uma alternativa que minimize o alto custo pago pelo trabalhador ou pelo estudante, o qual acaba sendo abatido do salário, problema esse que desafia as autoridades”, disse Rabello.

Leia também:  Sema investe R$ 1,3 milhão em projeto de gerenciamento de recursos hídricos

Um dos problemas mais comuns diz respeito ao ônus cuja tarifa recai sobre a população de trabalhadores e estudantes dos municípios vizinhos à nossa capital, onde se instalam a praça de cobrança de pedágio.

“De fato, essa população é penalizada economicamente em seus deslocamentos diários para trabalhar, estudar ou fazer compras, atividades realizadas muitas vezes no território do próprio município”, afirmou o deputado.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.