Wanderlei Silva foi envolvido de uma forma indireta em uma polêmica entre o presidente do Ultimate, Dana White, e a lutadora Cris Cyborg, desafeta declarada da campeã peso-galo do UFC, Ronda Rousey. Dana disse na semana passada que Cyborg se parece fisicamente com Wand, que a cabeça dela é enorme por causa dos anabolizantes que teria usado e questionou aos jornalistas presentes quem acreditava que ela está lutando de forma limpa. Wanderlei foi perguntado nesta terça-feira sobre o assunto, durante entrevista para a imprensa brasileira em São Paulo, e deu uma sugestão para acabar de uma vez com essa discussão sobre a capacidade física da campeã peso-pena do Invicta FC.

– Se tem algum problema com doping ou alguma coisa, vai lá e faz o teste, veja se é verdade ou não é. Não deve falar sem ter uma prova. Acho que o UFC deveria contratá-la, testá-la para saber se está limpa ou não e dar uma oportunidade. Fazendo o trabalho dela, ela vai provar se está certa ou errada – disse Wanderlei.

Leia também:  Paranatinga | Atleta de Jiu Jitsu conquista duas medalhas de ouro em campeonato internacional

A entrevista de Dana White repercutiu e muito na equipe de Cris Cyborg. O empresário dela, Tito Ortiz, abriu mão de gerenciar a atleta. Cyborg, por sua vez, rebateu os comentários do dirigente em uma entrevista ao Combate.com.

– Fiquei triste por ver uma pessoa que não me conhece e que me viu apenas uma vez na vida tentar me desmoralizar perante os meus fãs e o meu público, sem nem sequer saber os princípios com os quais fui educada pela minha família. O que eu posso dizer? Só posso continuar usando o mesmo antídoto que eu usava quando criança: treinar cada fez mais. Era isso que eu fazia quando me aborrecia com algo – declarou a brasileira, completando:

Leia também:  Árbitros de Mato Grosso participam de curso promovido pela CBF

– Ninguém tem o direito de te acusar sem provas. Já expliquei muitas vezes que o episódio do doping foi um erro durante a perda de peso para aquela luta, e é com os nossos erros que evoluímos. Justamente por não sermos perfeitos, não temos o direito de julgar ninguém. Já se passaram dois anos desde então, eu já cumpri suspensão, retomei minha carreira, voltei a ser campeã com a ajuda do Tito Ortiz e do George Prajin, que me estenderam a mão quando todo mundo me deu as costas…E, enfim, já lutei três vezes, sendo que fui testada em duas das últimas três lutas. Podem me testar hoje, amanhã ou quando quiserem. Eu estou com a consciência tranquila. Não posso ser julgada pelo resto da vida por um erro que eu cometi há 2 anos. Não quero ser lembrada a minha carreira inteira pelo único erro que eu cometi.

Leia também:  Dourado sobe duas posições e chega ao 50º lugar no ranking Nacional

Com 12 vitórias na carreira e apenas uma derrota, Cris Cyborg ficou realmente conhecida ao tomar o cinturão peso-pena de Gina Carano, em 2009, pelo extinto Strikeforce. Ela precisou de apenas um round para vencer a rival, com uma performance que entrou para a história do MMA feminino.

Quando o Ultimate comprou o Strikeforce, a organização não entrou em acordo com Cyborg e a liberou do contrato. Um dos entraves foi a dificuldade de se chegar a um consenso sobre em que peso Cyborg iria lutar.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.