Fábio Maldonado teve trabalho na luta contra Gian Villante, neste domingo, em Natal, no UFC: Shogun x Henderson. Depois de passar o primeiro round inteiro com as costas no chão, ele voltou melhor para os dois seguintes, trabalhou bem seu boxe e, por pouco, não nocauteou o americano no fim do terceiro assalto. Após o evento, em entrevista coletiva, o lutador comentou sua atuação com a sinceridade habitual e brincou ao dizer que é “que nem mulher de malandro”, já que cresceu no combate após sofrer uma joelhada que abriu um ferimento em sua cabeça, no segundo round.

– Achei que comecei o primeiro round parecendo que nem sabia que estava lutando. Sofri duas quedas, senti a força dele. Nem fiz preparação física direito, por medo de overtraining. Mas a minha parada é em pé, eu queria resolver ali. No chão, ele só me segurou. Se ele tentasse me finalizar ou nocautear, me daria chance de fazer o mesmo. Quando ele me sangrou, aí que eu comecei a funcionar. Eu sou que nem mulher de malandro – afirmou.

Leia também:  Richard Gama vence três e cai nas semifinais para líder

Maldonado ainda elogiou a postura de Villante, por ter levantado seu braço após o confronto e alfinetou Joey Beltran, que também foi derrotado pelo brasileiro, em outubro do ano passado.

– Nunca tive raiva de um adversário. O último deles gritava quando eu estava perdendo peso. Eu pensei: ‘Otário! Vai apanhar depois…’ Fiquei contente de saber que o Dana White gostou da minha luta. O Villante foi bacana, porque eu nunca dei a mão para ninguém entre os rounds. Lá dentro é guerra. E no fim do round ele me deu a mão para levantar. Eu nunca faria aquilo. Deixa ele se desgastar e levantar sozinho (risos). Mas ele é um garotão, mais novo que eu, com experiência, e fez uma coisa legal – disse.

Leia também:  Federação e clubes definem detalhes da Copa FMF

Agora, o Caipira de Aço planeja passar um tempo em Sorocaba para ficar com seus filhos, mas pretende ficar dois meses nos Estados Unidos para evoluir seu boxe e wrestling.
– Deixa eu ver um pouco meus filhos em Sorocaba (risos). Vou voltar para Sorocaba, mas estou sentindo falta de ir para os EUA. Quero passar uns dois meses lá pra pegar o boxe de novo. O meu tá bom, mas eu tinha muito mais. Lá eu vou treinar wrestling também. Não que seja ruim aqui, mas lá, temos que ser sinceros, é muito melhor – concluiu.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.