O deputado federal Wellington Fagundes (PR) diz que a possível filiação do juiz federal Julier Sebastião da Silva ao PMDB não garante que ele concorra ao senado pela base aliada ao governo.

“O PMDB vai trazer essa nova conjuntura. Se isso se configurar, o que ainda não é um fato consumado, eu resumo o seguinte: qualquer análise só poderá ser feita após 05 de abril”.

Ele disse que deve ouvir a base republicana antes de lançar o projeto ao Senado. “Isso tem que ser sinalizado pelo partido. Não sou nome de mim mesmo, sou nome de uma coligação e não estou com pressa. Tenho que construir cada vez o nome e trabalho junto ao partido. Agora é hora de calma”, argumentou o deputado federal.

Leia também:  Base de Pátio se rebela, deixa reunião e gera protestos

Na avaliação de Fagundes, Julier é um homem preparado, um juiz como um carreira exemplar, mas o PR também tem bons nomes como o do ex-prefeito de Água Boa, Maurício Tonhá.

Wellington disse ainda que qualquer decisão de coligação deve passar pela discussão das chapas proporcionais. Ele diz que a questão é muito mais matemática do que apenas política.

Ele não garantiu se a repetição do chapão PT, PMDB e PR possa vir a ser reeditada nessas eleições. “Não se faz coligação apenas com sentimento político, nem sempre dá certo, essa questão não pode ser vista apenas emocionalmente. Tenho discutido isso com especialistas para analisar os quadros”.

Leia também:  Aécio é afastado do senado e proibido de sair de casa durante a noite

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.