O governo francês anunciou hoje (23) que vai usar novos instrumentos e meios para intensificar as buscas pelo avião da Malaysia Airlines desaparecido há duas semanas. A decisão divulgada por nota do ministério dos Negócios Estrangeiros foi tomada depois que novas imagens de objetos no Oceano Índico, que podem pertencer ao avião, foram detectadas por um satélite usado pela França.

As imagens captadas revelam objetos flutuantes em uma zona do Oceano Índico situada a cerca de 2,3 mil quilômetros da cidade australiana de Perth.
O porta-voz do governo francês confirmou que esses primeiros dados foram comunicados imediatamente às autoridades da Malásia, responsáveis pela coordenação da busca. Uma nova operação foi iniciada nos oceanos Índico e Austral para encontrar o avião. Ontem (22), a tripulação de uma aeronave civil informou ter visto objetos que podem estar ligados ao avião. Na semana passada, imagens de satélites também detectaram objetos que podem ser destroços do avião.

Leia também:  OMS apoia decisão das Filipinas de suspender vacina contra dengue

O Boeing 777 que desapareceu do radar, no dia 8 de março, 40 minutos depois de ter partido de Kuala Lumpur com destino a Pequim, levava 239 pessoas a bordo.

Um grupo de peritos do Instituto Helmoltz de Oceanologia de Kiel, na Alemanha, quer usar um minissubmarino não tripulado para ajudar nas buscas pelo avião. Os cientistas de Kiel explicaram que podem usar o equipamento assim que forem encontrados os primeiros vestígios da aeronave.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, explicou que ainda não é possível confirmar os indícios, mas que o sinal de que tratam-se de partes do avião malaio é possível pelo fato dos objetos estarem próximos uns dos outros na área de pesquisa australiana, que se estende por 36 mil quilômetros quadrados.

Leia também:  Vice-presidente da Espanha assumiu a maior função da presidência
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.