O calvário continua. A má fase do Philadelphia 76ers parece não ter fim e alcançou, no último sábado, a marca indigesta de 24 derrotas consecutivas na NBA (liga de basquete profissional dos Estados Unidos). A derrota por 91 a 81 para o Chicago Bulls pode ser considerada apenas a ponta do iceberg de uma equipe que detém hoje a pior marca negativa da história da franquia. A sequência é a segunda pior da história da liga americana. Apenas o Cleveland Cavaliers, na temporada 2010/11, sofreu mais derrotas consecutivas: 26. Os Sixers não vencem há quase dois meses, desde o dia 29 de janeiro, quando bateram o Boston Celtics por 95 a 94.

A proposta do Phildadelphia, nesta temporada, era de mudança geral de cenário. O elenco se reforçou com o pivô Nerlens Noel, que foi apontado como um dos destaques do Draft. Outro novato foi Michael Carter-Williams, que se destaca no time atual e aparece como candidato ao título de calouro do ano (tem média superior a 16 pontos, seis rebotes e seis assistências). O curioso é que, na primeira parte do campeonato, os Sixers conseguiram alguns feitos relevantes, como a vitória sobre o bicampeão Miami Heat, do astro LeBron James, no primeiro jogo do ano.

A imprensa americana afirma que os jogadores dos Sixers, internamente, custam a entender o que está acontecendo. O jovem Tony Wroten, de 20 anos, deixou transparecer o incômodo após o último revés. Terceiro maior pontuador do time, ele deixou a quadra machucado na última partida por conta de uma torção no joelho.

Leia também:  Estreia de Pelé pela seleção brasileira completa 60 anos

– Eu nunca estou acostumado a perder. Falo em nome da equipe também. Não há como se acostumar com derrotas – esbravejou o jogador.

Diante deste cenário preocupante, os números dos 76ers não poderiam ser diferentes. A equipe detém o pior aproveitamento de arremessos de quadra (42,9%, empatado com o Chicago Bulls), é o time que sofre mais pontos por jogo (média de 110 por jogo), além de ser líder em turnovers (posses de bola desperdiçadas, com média de 17,2 por jogo). Também é do Philadelphia a quinta pior defesa em pontos sofridos a cada 100 posses de bola.

Referência em um time jovem, Jason Richardson está lesionado. Aos 33 anos, ele assumiria o papel de gerenciador do ambiente diante do turbilhão causado pelos resultados adversos, mas está afastado por lesão. O atual treinador é Brett Brown, que assumiu os Sixers nesta temporada depois de atuar como auxiliar de Gregg Popovich, no San Antonio Spurs. O momento de crise, por enquanto, é tratado por ele como uma fase de reconstrução.

Leia também:  De virada inédita, Cuiabá Arsenal vence Tubarões do Cerrado

– Nós começamos a temporada em X e depois fomos para o Y. Adquirimos peças no Draft, jovens talentos e demos passo na direção da reconstrução – disse o treinador, em entrevista recente.

Atualmente, o Philadelphia 76ers ocupa a penúltima (14ª) colocação da Conferência Leste, com 15 vitórias e 55 derrotas, à frente apenas do Milwaukee Bucks (13/57). Na noite desta segunda, os Sixers encaram o San Antonio Spurs do brasileiro Tiago Splitter.

A equipe tem três troféus de campeão da NBA. O primeiro foi ainda como Syracuse Nationals, em 1954/55. Os demais títulos vieram em 1966/67 e 1982/83.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.