O vereador de Cuiabá, João Emanuel (PSD) foi preso na manhã desta quarta-feira (26) acusado de chefiar uma organização criminosa que atuava em crimes de falsificação, estelionato, corrupção e grilagem de terras. A prisão preventiva foi decretada pela juíza da Vara do Crime Organizado e cumprida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o Gaeco que desencadeou a Operação Aprendiz no final de 2013, João Emanuel, estaria envolvido em um esquema de “grilagem”.
De acordo com as investigações, o vereador é acusado de falsificar documentos públicos de imóveis e os utilizava como garantia para agiotas, a fim de captar recursos para campanha eleitoral de 2014, na qual concorreria ao cargo de deputado estadual.

Leia também:  Em meio à crise nos estados, Mato Grosso consegue pagar servidores e serviços

Além de João Emanuel outras três pessoas também tiveram os mandados de prisão expedidos pela Justiça que estão sendo cumpridas nesta manhã. João Emanuel foi conduzido para sede da Polinter em Cuiabá.

ATUALIZADO

Mais um mandado de prisão relacionado a operação “Operação Aprendiz 2” acabou de ser cumprido em um posto de gasolina da Capital. Desta vez, foi preso Amarildo dos Santos que segundo o Gaeco, participava da organização criminosa chefiada pelo ex-presidente da Câmara João Emanuel. Ele é acusado das práticas de crime de organização criminosa;crime de uso de documento público falso; crime de falsidade ideológica e estelionato. Ele está sendo encaminhado para Penitenciária Central do Estado.

Foram também denunciados Mário Borges Junqueira, Érica Patrícia Cunha da Silva Rigotti, Pablo Noberto Dutra Caires e Evandro Vianna Stábile. Contra essas quatro pessoas não foram expedidos mandados de prisão.

Leia também:  Cliente perde um dente após desentendimento com travestis em motel

 

VEJA ABAIXO OS CRIMES IMPUTADOS AOS DENUNCIADOS 

JOÃO EMANUEL MOREIRA LIMA, no crime de organização criminosa , crime de uso de documento público falso; crime de falsidade ideológica; crime de estelionato ;crime de corrupção passiva

AMARILDO DOS SANTOS, no crime de organização criminosa ;crime de uso de documento público falso; crime de falsidade ideológica; crime de estelionato

MARCELO DE ALMEIDA RIBEIRO, no crime de organização criminosa; crime de uso de documento público falso ;crime de falsidade ideológica; crime de estelionato

MÁRIO BORGES JUNQUEIRA, no crime de organização criminosa ;crime de uso de documento público falso; crime de falsidade ideológica; crime de estelionato

Leia também:  Ministro defende que medidas cautelares sejam mais utilizadas como alternativas às prisões

ANDRÉ LUIS GUERRA SANTOS, no crime de organização criminosa; crime de uso de documento público falso; crime de falsidade ideológica;crime de estelionato

ÉRICA PATRÍCIA CUNHA DA SILVA RIGOTTI, no crime de organização criminosa; crime de uso de documento falso; crime de falsidade ideológica.

PABLO NOBERTO DUTRA CAIRES, no crime de uso de documento falso; crime de falsidade ideológica e crime de estelionato

EVANDRO VIANNA STÁBILE, crime de estelionato relativamente à obtenção de vantagem indevida em prejuízo da vítima Caio César, mediante utilização de meio fraudulento, que o levou a erro);

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.