Mais
    Agora MT Mundo Maduro diz que marchas "da direita não entrarão em Caracas"
    MUNDO

    Maduro diz que marchas “da direita não entrarão em Caracas”

    Da redação com Agência Brasil
    VIA

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nessa terça-feira (11) à noite que enquanto ocorrerem atos de vandalismo no país e a opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) não aceitar dialogar, as manifestações provenientes do interior não entrarão na capital. “Enquanto houver atos de vandalismo, enquanto o golpe de Estado estiver ativo, enquanto a MUD negar o diálogo, as manifestações da direita não entrarão em Caracas”, acrescentou.

    Maduro fez a afirmação na estreia do seu novo programa de rádio Em Contato com Maduro, que vai ao ar toda terça-feira pelo Sistema Nacional de Meios Públicos. “Eu não vou deixar entrar, porque não vamos trazer o que há em Chacao [leste] para o centro de Caracas. Eu vou proteger os territórios que estão em paz, com zelo o farei, porque essa marcha de ontem (marcha dos médicos) não estava autorizada”, disse.

    Nicolás Maduro explicou que há gente “infiltrada” nas marchas da oposição que quer apenas provocar distúrbios e estragos em áreas públicas. “Enquanto o golpe de Estado estiver ativado, enquanto houver vandalismo queimando parte dos territórios governados pela oposição, enquanto a MUD não se sentar [para dialogar], não entram em Caracas e chamem-me do que quiserem, não me importa, tenho o dever de proteger a paz na capital, porque a última vez que entraram, há um mês, destruíram meio centro de Caracas”, destacou.

    Maduro explicou que o governo venezuelano está reconstruindo parte do patrimônio público destruído em manifestações e lamentou que isso não seja tema para a imprensa. Ele garantiu que para hoje está apenas autorizado um protesto em Caracas e que aqueles que querem violência devem seguir para Chacao.

    Há um mês, são registrados diariamente protestos em várias localidades da Venezuela, entre manifestações pacíficas e atos de violência que deixaram pelo menos 22 mortos, centenas de feridos e mais de 1.000 detidos.

    A oposição convocou para hoje uma marcha em Caracas, onde esperam contar com milhares de pessoas de várias regiões do interior, para assinalar o primeiro mês da morte de três estudantes durante manifestação que terminou em violência.

    Relacionadas

    Apresentadoras de TV no Afeganistão devem cobrir o rosto, diz Taliban

    Autoridades do Taliban pediram às redes de televisão do Afeganistão que garantam que as apresentadoras de emissoras locais cubram os rostos quando estiverem no...

    Finlândia e Suécia apresentam pedidos de entrada à Otan

    Finlândia e a Suécia formalizaram nesta quarta-feira (18) o pedido de adesão à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) com a entrega das...

    Primeiro caso de varíola do macaco é confirmado nos EUA

    O governo do estado norte-americano de Massachusetts confirmou na quarta-feira (18) o primeiro caso de varíola do macaco. O paciente é um homem adulto que...

    Rússia diz que 700 combatentes se renderam em Mariupol

    Quase 700 combatentes ucranianos se renderam na siderúrgica de Azovstal, em Mariupol, nas últimas 24 horas, anunciou hoje (18) a Rússia, mas os líderes...

    Comandantes russos são acusados de matar os próprios soldados feridos

    Comandantes do exército da Rússia estão sendo acusados por suas próprias tropas de matar os soldados russos que estão feridos em vez de oferecer...

    Sobem para 429 os casos de hepatite misteriosa no mundo

    O número de casos de hepatite aguda infantil de origem desconhecida é agora de 429 — 81 a mais que há uma semana, disse...

    Turquia dirá não à entrada de Finlândia e Suécia na Otan

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta segunda-feira (16) que o país votará contra a entrada da Finlândia e da Suécia na Otan (Organização...

    Ucrânia ordena que últimos defensores da siderúrgica entreguem as armas

    A Ucrânia ordenou nesta sexta-feira (20) que as tropas entrincheiradas na siderúrgica Azovstal de Mariupol entreguem as armas, após quase três meses de resistência à ofensiva russa que...

    Especiais

    Últimas

    Editoriais

    Siga-nos

    Mais Lidas