A paralização nacional é uma convocação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
A paralização nacional é uma convocação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

A Praça Brasil, em Rondonópolis, foi ponto de encontro de servidores do estado e município que participaram na manhã desta terça-feira (18) das atividades da paralização nacional que foi organizada na cidade pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino público de Mato Grosso (Sintep/MT) e Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur).

A presidente da subsede do Sintep/MT em Rondonópolis, Maria Celma de Oliveira, argumentou que a mobilização nacional tem como foco a valorização dos profissionais e da educação, com a cobrança de uma maior aplicação dos Royalties do petróleo e do Produto Interno Bruto (PIB) no ensino, votação do Plano Nacional da Educação (PNE) e a implantação do piso nacional.

Leia também:  Receita Municipal informa que ITR deve ser declarado a partir do dia 14

Rubens de Oliveira Paulo, presidente do Sispmur, observou que a adequação salarial foi uma das pautas comuns que também são reivindicadas pelos profissionais do município, assim como a melhoria do ensino, pois percebe que os governantes têm fechado os olhos para a educação. O sindicalista frisou que a categoria não poderia deixar de somar forcas com o movimento, por mais que as cobranças sejam locais.

Contudo Rubens acredita que até o fim do mês haverá uma audiência com o vice-prefeito Rogério Salles onde serão extraídas pautas positivas que dispensarão o início de uma greve em razão da falta de negociação.

Ainda durante a manhã os trabalhadores percorreram as ruas centrais da cidade. Como parte dos trabalhos da paralização nacional, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), serão deslocadas caravanas, nesta quarta-feira (19) para Cuiabá e Brasília onde acontecem passeatas. Os servidores do município se mobilizarão na Câmara de Vereadores.

Leia também:  No 1º semestre, aumenta os casos de sífilis em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.