Três audiências públicas visando às concessões das rodovias estaduais: MT-010, MT-249, MT-235 e MT-170 foram realizadas nesta semana em Nova Mutum, São José do Rio Claro e Campo Novo dos Parecis. As audiências contaram com a presença maciça dos produtores e delegados da Aprosoja para manifestar o desacordo com a proposta de concessão apresentada pelo Governo do Estado.

Para a Aprosoja, e entidades que formam o Movimento Pró-Logística, a maneira como está sendo conduzida a implantação das novas concessões das rodovias não é apropriada e não tem a concordância do setor produtivo. “Consideramos que esta estratégia não é a mais adequada para resolver os enormes problemas emergenciais que temos enfrentado, como atoleiros, buracos e falta de trafegabilidade de nossas rodovias”, enfatizou o presidente da Aprosoja, Carlos Fávaro.

Leia também:  Corte de árvores garante mais segurança nas rodovias

As entidades defendem que o Governo do Estado deve agir imediatamente para a recuperação da atual malha viária com recursos orçamentários próprios, e não colocar essas ações na conta dos pedágios que serão pagos pela população. “Entendemos que a concessão de rodovias, por se tratar de um compromisso de várias décadas, é um tema estratégico que deve ser tratado com uma visão de longo prazo e não ser utilizado para resolver problemas atuais de manutenção das rodovias”, complementou o presidente.

O intuito da mobilização do setor produtivo é a discussão ampla entre governo e sociedade, com foco na viabilidade das concessões rodoviárias, bem como em um modelo de concessão que fomente o crescimento sustentável do estado.  “Com esse posicionamento reiteramos nossa solicitação feita no dia 11 de dezembro de 2013, onde requeremos a paralização das audiências públicas sobre o tema até que as entidades do setor apresentem a proposta para as rodovias estaduais que está em fase de elaboração”, pontuou o diretor-executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz.

Leia também:  Após 8 dias, incêndio em parque estadual é extinto

Modelos – Uma das propostas estudadas pelo setor é o modelo no qual o governo estadual garanta os recursos necessários para os investimentos nas rodovias durante o prazo da concessão, de modo que os recursos oriundos das cobranças de pedágio sejam utilizados somente para cobrir despesas operacionais de manutenção, conservação e serviços.

“Não devemos tratar um tema de tamanha importância estratégica para nosso estado ‘a toque de caixa’. A concessão de uma rodovia representa um compromisso de décadas que, caso feito de maneira inadequada, pode comprometer significativamente a competitividade e o desenvolvimento do estado”, finalizou o presidente da Aprosoja.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.