A Terapia de Reposição de Testosterona (TRT) foi usada por atletas em esportes de combate há muitos anos, mas sua existência foi revelada ao grande público após Chael Sonnen ter sido flagrado com uma quantidade muito superior ao normal (14 vezes acima da média humana) em sua primeira luta contra Anderson Silva, no UFC 117. O lutador cumpriu suspensão, e revelou ser vítima de uma doença conhecida como hipogonadismo, cujo principal efeito nos homens é impedir a produção de testosterona, o principal hormônio masculino.

Com diagnóstico atestado por dois médicos junto à Comissão Atlética de Nevada (NSAC) – a principal dos EUA – em 2008 e 2012, Sonnen conseguiu receber a autorização para fazer TRT e lutar no estado americano. No entanto, nas últimas semanas, a NSAC baniu o tratamento definitivamente de seus regulamentos, o que significa que nenhum atleta, sem exceção, será licenciado para lutar em Nevada se estiver fazendo TRT. Diretamente atingido pela nova resolução, Sonnen falou sobre os efeitos que ela terá em sua vida como atleta.
– A melhor maneira de descrever a vida sem a reposição de testosterona é terrível, completamente. É um medicamento do qual eu preciso no dia a dia para ter uma vida normal.

Leia também:  Circuito de Tênis começa nesta quarta em Cuiabá

As pessoas dizem que é uma droga para melhora de performance atlética, mas tem muito mais coisa que alguns atletas tomam para ter um melhor rendimento. Testosterona, para mim, é muito mais que um “melhorador de performance”. Para mim é um “melhorador de vida”. Fazendo o TRT, minha vida é melhor, meu comportamento é melhor. Tenho mais energia, preciso dormir menos. Me faz sentir melhor em diversos níveis. Me faz um melhor marido, vizinho e até dono do meu cachorro. Entendo que estejam preocupado com o uso abusivo, mas esse tratamento melhora a vida das pessoas. Mas o fato é que clinicamente eu preciso de TRT, mas a NSAC não deu opções. Está proibido. Então teremos que viver com isso, gostemos ou não – disse o lutador ao site “Yahoo Sports”.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

Para Pat Lundvall, membro da NSAC, no entanto, a autorização para fazer TRT antes das lutas não está relacionada a impedir que os atletas façam um tratamento de saúde.

– Ninguém está dizendo para não fazerem tratamentos médicos necessários para a sua saúde. Se o seu médico prescrever um medicamento, você deve usá-lo com toda a certeza. Mas isso não significa que você possa vir a nós e pedir que mudemos nossas regras por você. Levamos em conta todas as ppossibilidades relacionadas a esse assunto do TRT e decidimos banir a terapia para atletas de combate no nosso estado. Não encorajamos ninguém a não tomar medicamentos dos quais precisem, mas deixamos caro que não permitiremos que lutem sob seus efeitos se eles forem proibidos.

Leia também:  Projeto Mais Esporte, Mais Cidadania é lançado oficialmente em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.