Antes da Operação Arca de Noé, o ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, que cumpre pena na Penitenciária Federal de Porto Velho, dava as cartadas em Mato Grosso e políticos vinham lhe pedir a ‘benção’ e financiamento financeiro para seus projetos políticos. Arcanjo era tão poderoso que mesmo as polícias lhe serviram durante muito tempo. Ele tinha um poder paralelo ao estado democrático de direito.

Pois bem. A dupla Batman e Robin – como ficaram conhecidos na capital Pedro Taques e Julier Sebastião da Silva, na época de procurador da República e magistrado federal, respectivamente – ajudou a colocar muitas pessoas na cadeia em esquemas de corrupção, desvios de dinheiro público e em especial, integrantes do crime organizado.

Leia também:  Pátio reúne vereadores para fumar cachimbo da paz

Pedro Taques e Julier deixaram de ser meros operadores do Direito a heróis de Mato Grosso por terem enfrentado João Arcanjo Ribeiro e colocando fim no império do ‘comendador’.

Sob esse mote, Taques se candidatou com o discurso da moralidade e combate ao grupo de Arcanjo e saiu vitorioso das urnas em 2010. Agora é a vez de Julier se candidatar com este mote. O ‘comendador’ pode eleger mais um.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.