Diretora administrativa do P.A., Vânia Scapini - Foto: Ronaldo Teixeira/AGORA MT
Diretora administrativa do P.A., Vânia Scapini – Foto: Ronaldo Teixeira/AGORA MT

O número de consultas no Pronto Atendimento (P.A.) de Rondonópolis aumentou significativamente e coloca a unidade de urgência e emergência a beira de um colapso.

A diretora administrativa do P.A., Vânia Scapini, recordou que nesta terça-feira (01) o pronto atendimento completou 10 anos de existência, onde eram atendidas aproximadamente 5 mil pessoas ao mês e agora são consultadas cerca de 17 mil, porém com a mesma estrutura de quando foi fundado.

Vânia afirma que a cada vez mais tem aumentado o número de pacientes, por exemplo, no mês de janeiro foram registrados uma média diária de 404 atendimentos, e nos últimos dois dias o número de procedimentos foram superiores a 600 consultas, com tendência a aumentar. Contudo nenhuma pessoa é dispensada sem atendimento.

Leia também:  Rondonópolis | Indústria é o setor que mais gerou empregos em maio

Com a grande procura infelizmente aumenta o tempo de espera nas filas, que são selecionadas de acordo com a gravidade de cada paciente, contudo o quadro técnico não pode ser ampliado em detrimento da estrutura física que não foi projetada para este fluxo.

A administradora ressaltou que o problema poderia ser menor, pois por questões culturais o P.A. se tornou uma referência e todas as pessoas procuram a unidade de urgência e emergência, quando poderiam recorrer a um Posto de Saúde da Família (PSF), além do fato que cerca de 10% dos usuários são de outros municípios.

Vânia se declara preocupada com a situação que não é peculiar de Rondonópolis, pois as falhas no Sistema de Saúde fazem que todos os atendimentos sejam feitos nas unidades de Urgência e Emergência, que com isso perde seu principal objetivo.

Leia também:  Samu passa a contar com central mais ampla e moderna
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.