Morreu na tarde deste sábado, em Uberlândia, o narrador esportivo Luciano do Valle, de 66 anos. Ele foi internado em um hospital particular da cidade mineira, na tarde deste sábado, após passar mal durante voo até a cidade – onde faria a transmissão do jogo entre Atlético-MG e Corinthians, no domingo, pelo Campeonato Brasileiro. O jornalista, que viajava de São Paulo, foi socorrido ainda no aeroporto da cidade mineira pelo Corpo de Bombeiros. A morte do narrador foi confirmada pela TV Bandeirantes, emissora na qual trabalhava. À noite, o Instituto Médico Legal (IML) confirmou que a causa da morte foi infarto. Segundo a funerária, o corpo será velado na Câmara Municipal de Campinas. O último jogo transmitido pelo locutor foi a final do Campeonato Paulista – o título do Ituano sobre o Santos nos pênaltis no domingo passado.

De acordo com assessoria de imprensa do Hospital Santa Genoveva, o narrador deu entrada às 15h10 com parada respiratória e foi direto para Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O óbito foi confirmado às 16h15. O médico que o atendeu no voo, o cardiologista Roberto Botelho, relatou que a passagem de Luciano foi sem sofrimento, uma “morte súbita”.
– Ele não teve dor e teve toda a assistência que uma pessoa pode ter nesta situação. Morte súbita é isso – disse.

Leia também:  Técnico do União lamenta: “Dava para ir mais longe”

O jornalista da TV Globo Marco Aurelio Souza estava no mesmo voo do narrador e contou o que se passou no avião.
– Ele não se sentiu bem durante o voo. Não teve nenhum rebuliço no avião. Ele só comunicou à comissária que não se sentia bem e pediu que, quando o avião descesse, chamassem um médico. Estava na primeira fileira. Todos os passageiros saíram, mas ele permaneceu. Quando eu saía, o comandante já tinha saído da cabine e conversava com ele indicando que tinha chamado um médico. A gente ficaria no mesmo hotel. Quem me relatava as coisas era o Fernando Fernandes, da Band. O Luciano já foi muito mal para o hospital. Meia hora depois, o Fernando me ligou para dizer que ele tinha morrido de um problema do coração – relatou o jornalista.

Leia também:  Falso treinador é preso por pedofilia após prometer vaga em time em troca de 'nudes'

O repórter da Bandeirantes Fernando Fernandes também estava no voo. Ele relatou, em entrevista para a emissora, que Luciano já não se sentia bem em São Paulo, antes do embarque.

– Tínhamos o voo às 13h30 de São Paulo para Uberlândia. Ele disse que estava com dor nas costas. No meio do voo, fui lá para a frente e vi que ele não estava bem, que estava suando – comentou Fernandes.
Luciano do Valle Queiroz nasceu em Campinas, trabalhava atualmente na TV Bandeirantes e foi narrador esportivo da TV Globo por 11 anos. Chamado de “o melhor gol da TV”, era considerado um dos principais profissionais da imprensa do país, tendo transmitido Copas do Mundo, Olimpíadas, Fórmula 1 e Fórmula Indy, além de ter sido apresentador do “Globo Esporte”. Foi o responsável por aumentar a programação esportiva da Band e valorizar esportes olímpicos – vôlei e basquete, por exemplo -, além de diversificar a cobertura de futebol, com espaço para divisões inferiores e jogos de veteranos.

Leia também:  Diretoria do União deve apresentar equipe dia 14

Torcedor da Ponte Preta, Luciano iniciou a carreira na Rádio Brasil e ganhou destaque trabalhando na Rádio Nacional, em São Paulo. Pela emissora, participou da cobertura da conquista do tricampeonato mundial de futebol na Copa do Mundo do México. No mesmo ano, passou a fazer parte da equipe da Globo. A primeira transmissão ocorreu no basquete masculino, no Troféu Governador do Estado de São Paulo. Em 2003, ele também fez parte da equipe esportiva da TV Record.

Algumas de suas narrações ficaram célebres, como o último gol de Zico pela seleção brasileira, em amistoso contra a Iugoslávia, em 1986 (“Não há palavras para descrever o gol de Zico”); o gol de Ronaldinho Gaúcho pelo Brasil contra a Venezuela na Copa América de 1999 (“golaaaço desse menino que é ótimo”); e o gol de Edílson pelo Corinthians sobre o Real Madrid no Mundial de Clubes em 2000 (“E aí ele disse: ‘Eu sou o Edílson, o Capeta'”).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.