O papa Francisco dispensou o uso de veículos à prova de balas durante a viagem que fará ao Oriente Médio neste mês, insistindo em usar um carro normal e ter a possibilidade de ficar o mais próximo possível das pessoas, informou o Vaticano nesta quinta-feira (15).

Segundo informações do Vaticano, um rabino e um líder islâmico vão acompanhar o papa Francisco em sua viagem ao Oriente Médio, em uma demonstração da importância que ele atribui ao diálogo interreligioso.

O pontífice vai visitar a Jordânia, os Territórios Palestinos e Israel durante a viagem de 24 a 26 maio, a sua primeira visita como papa à região.

“O papa quer um papamóvel aberto e um carro normal. A autoridade de segurança local levou o desejo do papa em consideração”, disse o porta-voz, padre Federico Lombardi.

Leia também:  Chuvas dos últimos anos deixou 324 mortos e milhares de desabrigados na Índia
Em julho de 2013, o Papa Francisco usou um carro comum na visita ao Rio de Janeiro (Foto: Nestor J. Beremblum/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)
Em julho de 2013, o Papa Francisco usou um carro comum na visita ao Rio de Janeiro (Foto: Nestor J. Beremblum/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)

“Eu não acho que houve muita discussão sobre isso”, disse ele, insinuando que as autoridades locais do setor de segurança haviam sugerido o uso de veículos à prova de balas, mas foram desautorizadas.

Antecessores do papa Francisco foram conduzidos em limusines à prova de balas em suas viagens em torno de Roma ou no exterior. Os chefes de Estado que visitam o Oriente Médio tendem a usar carros blindados.

O papa Francisco usa um carro Ford Focus azul em Roma, e durante sua viagem ao Brasil, em julho passado, ele foi conduzido pelo Rio de Janeiro em um pequeno Fiat prata, a seu pedido.

Em algumas ocasiões durante a viagem no Brasil, a polícia não conseguiu controlar a multidão que cercou o carro. Lombardi disse que não espera cenas semelhantes no Oriente Médio porque os católicos são uma minoria lá.

Leia também:  Pesquisadores descobrem que tem água em Marte

Lombardi também disse que o Vaticano não estava muito preocupado com as ameaças aos cristãos escritas por supostos extremistas judeus em propriedades da Igreja na Terra Santa.

Na segunda-feira (12), a inscrição “Morte aos árabes e cristãos e todos os que odeiam Israel” foi pichada em hebraico, em uma coluna externa dos escritórios da Assembleia dos Bispos, no Centro Nossa Senhora, em Jerusalém Oriental.

O papa Francisco deve se reunir com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no Centro Nossa Senhora, situado fora das muralhas da Cidade Velha, no último dia de sua viagem.

O jornal israelense Haaretz informou que o serviço de segurança do país teme que os radicais judeus possam realizar um grande ataque contra a população cristã ou instituições para conseguir a atenção da mídia durante a peregrinação do Papa.

Leia também:  Criança é morta e quatro adultos ficam feridos em tiroteio na capital dos EUA

Mas Lombardi disse que não estava ciente de quaisquer preocupações específicas da segurança para qualquer parte da viagem.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.