A Polícia Civil identificou três telefones usados pelo pedreiro Edinei Honorato Lopes, de 32 anos, conhecido como “maníaco do telefone”, que ameaçava adolescentes na Grande Cuiabá e no interior do Estado. Preso anteontem à tarde, ele era investigado e há cerca de 30 dias e chegou a ser detido, em caso semelhante no bairro Planalto, mas liberado por falta de provas. O suspeito usava os números 9683-0104, 9670-3176, 9264-2204, todos com prefixo 65.

Nos celulares, foram encontradas mensagens ameaçadoras, fotos e imagens pornográficas de várias adolescentes que ele obrigava a se filmarem nuas e praticando atos libinosos em si próprias.

Em seu interrogatório, o suspeito confessou que sente prazer em provocar terror nas vítimas e que estava desempregado. Ele disse ainda que todo o dinheiro que conseguia usava para por créditos no celular e fazer as ligações ameaçadoras.

Ele admitiu que ligou para várias vítimas, as quais não sabe identificar quem são, mas que exigiu, por meio de ameaças, que enviassem imagens nuas. Conforme ele, há 10 dias passou a ligar para as pessoas, não sabendo precisar quantas, e que não conhece nenhuma das vítimas e suas famílias.

Leia também:  Invasão domiciliar | Mulher é morta à tiros enquanto dormia em casa

O suspeito disse que identificou uma das vítimas, por meio de cartão de um salão de beleza, encontrado no meio da rua, com o nome e telefone de uma mulher. A partir daí passou a monitorar a vítima e efetuar as ligações.

Em outro trecho, o preso relatou que tem “problemas de cabeça” e não sabe precisar ao certo o que acontece, mas precisa fazer um tratamento e que, se for solto sem fazer passar por tratamento, vai voltar a cometer os mesmos crimes. “Tenho problemas com telefones e não consigo me controlar e acabo usando o telefone para ficar aterrorizando as meninas e pedindo fotos delas nuas”.

Segundo policiais da Delegacia de Defesa Criança e do Adolescente da Capital ele foi preso após ameaçar a mãe de uma adolescente de 14 anos, no bairro Ouro Fino, em Cuiabá.

Leia também:  Jovem é preso em flagrante por tráfico de drogas

Ele ligou e disse que estava perto da escola de uma das menores e que iria “sumir com a filha”. “Quando essa mãe veio aqui, passamos foto do suspeito para ela, que passou a espalhar entre amigos e nas redes sociais”, disse a delegada.

Quebrou o celular

Com medo, a mãe acionou amigos e conhecidos que conseguiram identificar o suspeito perto da escola e segurá-lo até a chegada da Polícia. Ao ser detido, o maníaco quebrou o aparelho celular que usava para dificultar o levantamento de provas contra ele. “Por conta disso tivemos que fazer o flagrante na forma tentada, porque danificou na hora o celular. Mas mesmo assim conseguimos identificar dois chip’s e temos a gravação dele do celular da vítima”, disse a delegada Luciani Barros.

Conforme a delegada Luciani Barros, somente no último inquérito foram identificados mais de 3 mil ligações constrangedoras e de ameaças de morte em vítimas escolhidas aleatoriamente.

Leia também:  Em MT, seis pessoas morrem em dois acidentes na BR 163 no norte do estado

No dia 7 de outubro do ano passado, o suspeito foi preso em flagrante pela Deddica, nas investigações da operação “Ligações Perigosas”, por crimes de ameaças e constrangimento ilegal, cometidos contra mais de 25 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos, em Cuiabá e Várzea Grande. Os crimes ocorreram desde fevereiro do ano passado.

Conforme os policiais, em março deste ano, o maníaco foi solto e voltou fazer vítimas na região metropolitana e até na cidade de Ribeirão Cascalheira (cidade a 900 quilômetro a leste de Cuiabá), onde pais de adolescentes passaram a procurar a Delegacia para registrar boletim de ocorrência de ameaça.

A delegada informou que já são seis boletins de ocorrência registrados desde o dia 24 de abril deste ano.”Quando uma das vítimas atendeu o telefone aqui na Deddica tivemos a certeza de que era ele e descobrimos que estava solto”, declarou a delegada.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.