Ao lado da filha Cristiane mostra a receita do medicamento - Foto: Aécio Morais / AGORA MT
Ao lado da filha Cristiane mostra a receita do medicamento – Foto: Aécio Morais / AGORA MT

Dois meses depois de a reportagem do Site AGORA MT ter mostrado a história da pequena Isabela Aparecida Pereira da Silva, 12 anos, vítima de uma paralisia cerebral logo nas primeiras horas de vida e que precisa do auxílio da Prefeitura Municipal de Rondonópolis para sobreviver, o sofrimento da família continua. Além da paralisia, a menina também possui um caso complicado de epilepsia e pneumonia.

LEIA TAMBÉM – Mesmo sob ordem judicial, Prefeitura não fornece remédio para criança deficiente

Acontece que Isabela necessita de um medicamento de alto custo chamado Scopoderm, que segundo a mãe da criança, Cristiane Pereira da Silva, é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde, inclusive, existe uma ordem judicial para que os medicamentos sejam entregues em dia.

Leia também:  Policlínica organiza ações de saúde em horário extra para atender população da Vila Operária

De acordo com Cristiane, já são três meses sem o medicamento. “Na época da reportagem, que foi feita em março, estávamos tentando receber o de fevereiro que já estava atrasado. Não entendo porque fazem isso com minha filha. Se eu tivesse R$ 1,6 mil mensais (que é o valor do medicamento) para custear por conta própria, não passaria por essa humilhação”, lamenta Cristiane.

Ainda segundo Cristiane, após a reportagem a família recebeu o remédio da criança, a demora foi tanta que a receita já havia vencido. Agora ela espera que o pedido seja atendido, já que o medicamento é essencial no dia a dia da pequena Isabela.

DENÚNCIA

Cristiane também aproveitou o espaço para denunciar. Conforme ela a secretaria tem ‘perdido’ encaminhamentos dos pacientes, apesar disso, pessoas próximas da administração tem tido privilégio nas filas de cirurgias.

Leia também:  Manutenção nesta quinta-feira (17) irá comprometer abastecimento de água em Rondonópolis

“Além de conhecer casos, sou a prova viva disso. Há uns três meses que estou aguardando uma operação no olho, perderam meu pedido. Refiz novamente, agora já tem um ano na espera. Tem gente que entrou a menos tempo e já está operado”, explicou.

OUTRO LADO

Conforme nota emitida pela assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Rondonópolis, a secretária de Saúde Marildes Ferreira informou que a medicação é disponibilizada pelo Estado por meio do Município.

Ainda de acordo com a nota, a mãe deve procurar a Farmácia de Ordem Judicial, que fica na Frei Servácio, junto à central de Regulação (na antiga Farmácia de Manipulação) no Bairro Santa Cruz. Lá a mãe da criança deve conversar com a farmacêutica Neide Aparecida Siloch, que ela vai providenciar a medicação com a apresentação da receita atualizada.

Leia também:  Sanear libera rede de esgoto da Vila Goulart para uso dos moradores

Quanto à espera pela cirurgia de visão, a secretária solicitou que a paciente Cristiane Pereira da Silva compareça hoje (08) na Secretaria de Saúde e converse com a secretária, para que o Município assuma a questão e ela saia da fila de espera da Central de Regulação, já que a Secretaria de Saúde de Rondonópolis assinou um convênio com um Hospital especializado em Cuiabá.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.