Nesta quarta-feira, um dia antes dos 20 anos da morte de Ayrton Senna, outra tragédia relacionada ao GP de San Marino de 1994 volta à tona: a morte do piloto Roland Ratzenberger. No dia 30 de abril daquele, na entrada da curva Villeneuve, com velocidade estimada em 308 km/h, o austríaco chocou-se com o muro e reacendeu o alerta dos perigos aos quais os pilotos estavam expostos em Ímola naquela semana.

O circo, que já estava atento às questões de segurança após o acidente assustador com a Jordan de Rubens Barrichello, via uma morte na categoria, algo que não acontecia desde o dia 15 de maio de 1986. Na época, o italiano Élio de Angelis, que fazia testes com sua Brabham no circuito de Paul Ricard, na França, capotou sobre uma barreira de pneus e seu carro pegou fogo. Acabou asfixiado pela fumaça devido ao atendimento tardio.

Leia também:  União faz neste sábado primeiro jogo da final do sub-19

Enquanto Senna iniciava sua 11ª temporada na F-1, Ratzenberger, nascido em Salsburgo, estreava na categoria relativamente tarde, aos 33 anos, na nanica Simtek. Antes disso, passou por campeonatos diversos no Japão e na Inglaterra.

No Brasil, abertura da temporada, não passou pela pré-classificação. Na prova seguinte, no entanto, até terminou a prova: largou em 22º e chegou em 11º lugar, a última posição, no GP do Pacífico, em Aida. Desembarcou confiante em Ímola, sem saber do que o destino lhe reservaria.

Após a batida, Roland fraturou diversos ossos do crânio e, segundo uma linha de investigação, morreu no local do acidente, e não no Hospital Maggiore, em Bologna, cerca de dez minutos após dar entrada no local. A informação parece secundária, mas é relevante. Segundo as leis italianas da época, caso um esportista viesse a falecer durante um evento, o mesmo deveria ser cancelado e o local não poderia abrigar competições até a perícia apresentar laudo conclusivo. O fato poderia ter cancelado a prova e evitado a tragédia que vitimou Ayrton. A mesma teoria sobre o acidente de Roland também se aplica ao de Ayrton, já que há peritos que afirmam que o brasileiro morreu ainda na pista de Ímola.

Leia também:  União, mesmo com derrota, avança e joga de novo contra o Dom Bosco

Semana #SennaSempre

Nesta semana em que completam-se 20 anos do adeus a Ayrton Senna, o GloboEsporte.com apresenta matérias especiais e entrevistas exclusivas em homenagem ao ídolo brasileiro, além de cobertura “in loco” do “Ayrton Senna Tribute 1994/2014”, evento de quatro dias que será realizado em Ímola em memória ao tricampeão. Fique ligado e confira tudo em nossa página especial “Senna para Sempre”.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.