Por estar em período de transformação e adaptação, o intestino do bebê é mais frágil e requer muito mais atenção que o de um adulto. Problemas como intestino preso, fezes ressecadas e gases são muito mais frequentes. “É importante que pais e médicos observem como costuma ser o funcionamento do intestino, pois cada criança tem o seu próprio ritmo”, explica a nutricionista Fernanda Granja, especialista em nutrição materno-infantil, de São Paulo.

Se o seu bebê apresentar problemas intestinais ou alteração no número e no aspecto das evacuações, especialistas recomendam alterar a alimentação para que a digestão seja novamente regulada. Confira essa e outras dicas de profissionais da saúde para que o seu filho fique livre de desconfortos.
Alimentos que ajudam a regular o intestino preso

Alguns alimentos, ricos em fibras naturais, melhoram a obstipação. Frutas laxativas (mamão, laranja com bagaço, ameixa preta, mexerica e banana-nanica), vegetais de folha cozidos (escarola, almeirão, brócolis e couve), quiabo, vagens, feijão, lentilha, aveia e farelo de trigo, são alguns exemplos que ajudam a soltar o intestino preso.

Leia também:  Pular o café da manhã atrapalha a boa nutrição das crianças

Se o bebê já tiver com quatro meses de idade, a mãe pode oferecer sucos laxativos. A nutricionista Andréia de Avelar dá a receita: laranja lima, mamão, ameixa preta e farinha de linhaça. Bata tudo no liquidificador e ofereça ao bebê quando ele estiver obstipado. Para os bebês que tomam leite em pó ou de fórmula, a mãe pode ferver água filtrada com duas ou três ameixas, coar e depois preparar o leite com essa água.
Alimentos reguladores do intestino solto

Para regular o intestino solto, pode-se oferecer sucos coados de maçã, pera ou goiaba. Também vale fazer sopas com batata, mandioquinha, mandioca, macarrão, cará ou inhame.

A nutricionista Simone Freire, doutoranda em comportamento do consumidor pela Unifesp, lembra que o creme de arroz, administrado junto com o leite, pode minimizar os efeitos da diarreia.
Evite a flatulência

Leia também:  Rótulos de certas águas de coco não são confiáveis, diz Proteste

Se o bebê estiver com muitos gases, evite oferecer leguminosas – como feijão, ervilha, lentilha e grão de bico. “O açúcar também deve ser diminuído ou retirado da dieta, pois ele causa fermentação e distende o abdômen”, explica Simone Freire.
Cólicas

O choro é o principal sinal de que o bebê está com cólica. A nutricionista Fernanda Granja orienta observar em que horário surgiu a cólica e qual foi o último alimento ingerido. Evite refrigerante, café, alho e, em alguns casos, a retirada de leite e derivados também ajuda. Mesmo assim, alguns bebês podem continuar a apresentar cólicas até os quatro ou cinco meses de vida. “Isso se deve ao amadurecimento do sistema digestivo da criança, é normal”, afirma a nutricionista Andréia de Avelar.
Atenção ao leite

Leia também:  Uma gordura que faz bem para o cérebro

Com o fim da licença maternidade no trabalho, muitas mães começam a introduzir outros tipos de leite na dieta do bebê por facilidade. “Mas essa mudança deve ser feita com muito cuidado, pois é importante observar a reação a cada tipo de fórmula”, explica Simone.

Reações alérgicas são comuns nessa fase. O leite, quando inadequado à criança, pode causar muita flatulência, obstipação ou diarreia. É importante observar a diluição destas fórmulas industrializadas. “Muitas mães tendem a fazer um leite mais forte, mas isso diminui a ingestão de água e as fezes ficam ressecadas”, explica Simone.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.